Davi Lucas
Otávio Ribeiro/Divulgação
Davi Lucas


Assim como Carolina Pavanelli e Cecília Dassi, Davi Lucas é mais um exemplo de quem conquistou muito sucesso, cresceu e acabou optando por outros caminhos.  Nem a reprise da novela "Ti Ti Ti", no Vale a Pena Ver de Novo, na qual interpreta Lipe, fez com que o agora psicólogo ficasse balançado. Pelo contrário!

Durante o bate-papo exclusivo com o  iG Gente , revelou que não tem acompanhado a sua performance e explicou o porquê: "Não gosto de me assistir nem no TikTok, que faço de brincadeira. Nada que envolva aversão ao que fiz! Apenas não curto me rever mesmo".

Depois, o rapaz, que estreou no vídeo aos sete anos e teve passagens marcantes em "Fina Estampa", de 2011, e "Êta Mundo Bom!", de 2016, entre tantas outras tramas da Globo, confidenciou que não se arrepende de ter feito a mudança e, se fosse preciso, faria tudo "500%  igual". 

"A partir do momento em que me vi infeliz com o que fazia, foi essa decisão que me permitiu enxergar horizontes maiores na minha vida", declarou. Hoje, dedica-se à mentoria para ajudar as pessoas a abrirem o próprio negócio e a terem independência profissional e não esconde a felicidade.  Prepare-se!


1. Com 26 anos e 19 de carreira, como avalia sua trajetória como ator?

A bem da verdade, avalio sob dois prismas. O primeiro: fui um ótimo ator e, todos os dias, me esforçava ao máximo por qualquer projeto em que estivesse inserido. Segundo: trabalhar com arte, desde a tenra infância, me trouxe muitas responsabilidades e um peso excessivo. 

2. Com a pandemia, pudemos ver de novo várias interpretações suas na TV, como "Ti Ti Ti" e "Malhação", atualmente no ar. Você tem se assistido?  

Não (risos). Não gosto de me assistir nem no TikTok, que faço de brincadeira. Nada que envolva aversão ao que fiz, pelo contrário! Eu, apenas, não curto me rever mesmo (risos). 

3. Você começou a atividade profissional ainda criança. O que ganhou e o que perdeu com isso?

Ganhei maturidade para tomada de decisões e perdi festas de aniversário, formaturas, afetos... 

4. Cada vez mais vemos pessoas querendo e ganhando fama por conta das redes sociais, e você resolveu deixar a trajetória de ator para se dedicar a outra profissão, mesmo com uma carreira promissora. Como optou por essa escolha?

A partir do instante em que me vi infeliz com o que fazia. Foi essa decisão que me permitiu enxergar horizontes muito maiores na minha vida. Faria tudo 500% igual!  

Você viu?

Davi Lucas
Otávio Ribeiro/Divulgação
Davi Lucas


5. Você estudou psicologia e hoje instrui quem quer empreender. Como tem sido fazer esse trabalho em meio a uma crise econômica causada pela pandemia?

Gratificante e realizador, haja vista que o momento que estamos vivendo favorece, e muito, o empreendedorismo. Óbvio, é extremamente delicado, e isso é inquestionável, mas, a título de exemplo, pessoas que perderam seus empregos, hoje, estão encontrando nessa iniciativa uma forma excelente de realização em suas vidas! 

6. Como funciona sua mentoria? E como estão os resultados dos seus clientes?

Já atendi em mentoria, consultoria, cursos etc. Hoje me dedico 100% à minha Comunidade Prumo, que é voltada para quem deseja começar os seus negócios próprios, mas, como a esmagadora maioria dos brasileiros empreendedores, não encontra apoio em seu entorno. Os resultados são magníficos! Você acompanhar uma pessoa não abrindo mão das suas ideias é algo que move com uma força absurda!  

7. Qual a principal dica para quem deseja interpretar ou empreender?

A mesma para ambos: sempre faça o que faz sentido pra você, o que o torna, verdadeiramente, feliz! Jamais abra mão de si por qualquer caminho que seja! 

Davi Lucas
Otávio Ribeiro/Divulgação
Davi Lucas


8. Que tipo de convite poderia animá-lo a voltar a representar?

Se eu curtir o projeto, não vejo problemas em atuar. Porém, como profissão primeira, não mais.

9. Além de praticar suas mentorias, como tem passado este período de isolamento social?

Como todo mundo: tentando entender as nuances de toda essa confusão (risos). Sou uma pessoa que pratica muito esporte ao ar livre e, neste momento, por causa de tudo, tem sido mais difícil colocar em prática. Mas, tirando isso, a vida segue! 

10.  Ser artista é um bom negócio no Brasil?

Hummm, depende de como se faz essa pergunta. Se estiver se referindo a alguém que esteja envolvido, necessariamente, com algum tipo de arte, como pintura, canto, atuação e afins, acredito que não há problema em estar no país. A minha questão é a mesma para todo brasileiro: você pode exercer qualquer ofício! Só prego para que as pessoas não abram mão de si mesmas pelo preço que for e, muito importante também, instruam-se! Busquem saber as regras do jogo (educação financeira, burocracias, direitos, deveres etc.). Quanto mais as conhecerem, menos na sombra dos outros ficarão.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários