Zeca Camargo
Reprodução Instagram
Zeca Camargo


Na contramão da emenda de Paulo Guedes, a qual, entre outras medidas, prevê tributo sob o argumento de que "famílias com renda de até dois salários mínimos consomem apenas conteúdos didáticos", Zeca Camargo se uniu ao empresário Samuel Seibel, presidente da Livraria da Vila, para facilitar o acesso e garantir que o Brasil seja, cada vez mais, um país de leitores. 

A proposta conta com obras que ajudam a compreender os tempos atuais e passam por assuntos polêmicos e necessários, como racismo, fake news e violência digital, presentes nas páginas do "Pequeno Manual Antirracista", de Djamila Ribeiro, "A Máquina do Ódio", de Patrícia Campos Mello, "Quase Normal", do próprio Zeca, e "A Morte da Verdade", de Michiko Kakutani.

Zeca Camargo
Divulgação
Zeca Camargo


"Sou pela leitura, pela sabedoria. Por isso, a ideia de um imposto me revolta e me inspira a fazer esse gesto simples para ajudar as pessoas a entender o que está acontecendo hoje. Meu desejo é que essas ideias se espalhem. Então, faço questão de pagar metade do segundo título que cada um comprar", falou o diretor-executivo de produção da Band sobre a dinâmica especial.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários