Coren-SP enfrenta resistência do hospital para resolver caso de Klara Castanho
Reprodução/Instagram
Coren-SP enfrenta resistência do hospital para resolver caso de Klara Castanho


A identificação dos profissionais envolvidos no vazamento dos dados sigilosos sobre Klara Castanho tem sido dificultada pelo próprio hospital em que ela se internou para realizar o parto. De acordo com o Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP), a instituição médica pertencente à Rede D'Or negou o acesso ao prontuário da atriz.


"O Coren-SP informa que solicitou o prontuário de atendimento da atriz vítima de vazamento de informações sigilosas ao hospital onde ela foi atendida, mas o acesso ao documento foi negado ao conselho pela instituição sob a justificativa de necessidade de autorização prévia da paciente, seguindo o previsto em resoluções do Conselho Federal de Medicina (CFM) e no Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem", disse a instituição em um post no Instagram.

O Coren-SP reforçou a necessidade de ter acesso ao prontuário médico para conseguir identificar a equipe que trabalhou no parto e, desta maneira, tomar as medidas cabíveis. A instituição ainda se colocou à disposição de Klara para ajudá-la no quer for preciso.

"Desta forma, o Coren-SP se põe à disposição da atriz, caso isso seja de sua vontade, para orientação quanto aos procedimentos para encaminhamento de apuração da conduta dos profissionais de enfermagem que a tenham atendido ou de autorização para acesso ao prontuário", diz a publicação.

Em nota enviada à coluna, a Rede D'Or disse que tem colaborado com as investigações, mas confirmou que não permitiu o acesso ao prontuário de Klara Castanho. Veja:

"O Hospital informa que está colaborando e mantendo contato com todas as autoridades envolvidas na elucidação do caso desde o início da apuração dos fatos. Cabe ressaltar que o hospital abriu suas instalações ao Coren-SP e disponibilizou a lista e contatos dos profissionais que atenderam a paciente. O prontuário, no entanto, é um documento de propriedade da paciente. É preciso ter a autorização expressa dela ou uma ordem judicial para que os dados sejam informados a terceiros."


Vazamento

Klara Castanho escolheu um hospital da Rede D'Or para realizar o parto. Ela engravidou após ser vítima de estupro e decidiu, por vias legais, entregar a criança para a adoção.

A atriz teve seu sigilo violado pela equipe que a atendeu no local. De acordo com as informações que vieram à tona, quem procurou a imprensa para contar a fofoca foi uma das enfermeiras que trabalhou no parto.

No desabafo que Klara fez em seu perfil no Instagram, ela relatou que sofreu bastante com a equipe médica, que não lhe forneceu o atendimento adequado para lidar com a situação delicada.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários