Tamanho do texto

Cineasta espanhol, que está em cartaz nos cinemas brasileiros com "Dor e Glória", vai receber o Leão de Ouro honorário no festival de Veneza

Pedro Almodóvar é tão extraordinário que será atração dos dois maiores festivais de cinema do mundo em um mesmo ano. O feito é para poucos. Depois de concorrer à Palma de Ouro com “Dor e Glória” em Cannes em maio deste ano, ele ganhará um Leão de Ouro honorário no festival de Veneza, que acontece entre 28 de agosto e 7 de setembro.

o cineasta espanhol Pedro Almodóvar
Divulgação
Pedro Almodóvar no set de "Dor e Glória"

“Dor e Glória” já está em cartaz nos cinemas brasileiros e, sob muitos aspectos, é o filme mais pessoal de Pedro Almodóvar. No longa ele aborda as nuanças emocionais e criativas de um cineasta. É um filme que assumidamente ostenta elementos autobiográficos, mas é também uma homenagem do espanhol ao cinema. Grandes gênios da sétima arte costumam fazê-lo em dado momento de suas carreiras.

Leia também: Almodóvar brinca com os limites da autoficção no lindo e delicado “Dor e Glória”

Pedro Almodóvar e Penélope Cruz
Divulgação
Pedro Almodóvar e Penélope Cruz nos bastidores de "Dor e Glória"

O 22º longa-metragem do cineasta, o quarto nesta década, chega em um dos momentos mais disformes do ponto de vista de criativo do realizador espanhol. Em 2011 ele lançou o sublime “A Pele que Habito”, em que se experimentou pelo terror com ousadia sem renunciar às características de seu cinema. A crítica se dividiu entre a frieza e a celebração.

Na sequência veio o pastelão “Amantes Passageiros” (2013), uma declarada volta às comédias oitentistas, mas tudo que funcionava lá não tinha respaldo nessa produção extremamente afetada e sem norte.

Três anos depois, Almodóvar retornou ao melodrama com “Julieta” (2016), um filme que parecia inserido em sua fase dos anos 90. Já “Dor e Glória” , assim como em “Fale com Ela” (2002) e “A Pele que Habito” , traz o foco para a alma masculina e coroa um dos momentos mais bipolares da filmografia do cineasta.

Leia também: Com ótimas atrizes, "Obsessão" é suspense envolvente sobre labirintos da solidão

Prestes a completar 70 anos, Pedro Almodóvar não é apenas o cineasta espanhol mais conhecido fora da Espanha. Não é apenas uma grife. Ele é um gênero em si e a honraria de figurar nos dois mais prestigiados festivais de cinema do mundo em um mesmo ano é uma deferência à altura.