Com mais de 23 anos de carreira, Monique Alfradique resolveu se reinventar e aprimorar sua arte com seu primeiro trabalho em um monólogo: ‘’Como Ter uma Vida Quase Normal’’, em cartaz no teatro Folha, em São Paulo, até dia 15 de dezembro. "Sempre tive fascínio pela troca com o público que o monólogo proporciona para o ator, e pelo desafio em estar no palco tendo apenas o público como seu maior aliado", diz a atriz ao iG Gente .

Leia também: Além do “ser ou não ser”: a reinvenção do monólogo

Monique Alfradique
Pino Gomes
Monique Alfradique

Segundo Monique Alfradique , o desejo de atuar neste tipo de peça foi alimentado ao assistir Fernanda Torres em em “A casa dos budas ditosos” e Cristiane Torloni em “Joana D’arc’’. No entanto, foi ao conhecer o livro "Como Ter uma Vida Normal Sendo Louca", de Camila Fremder e Jana Rosa, que este desejo ganhou força, não é à toa que seu monólogo é inspirado nesta obra.

Leia também: Lucas Heymanns eleva as emoções em monólogo crítico à ansiedade contemporânea

"Achei um humor inteligente e irônico, o que me fez despertar o interesse em adaptar o texto para o teatro . No meio disso, conheci o Rafael Primot em “Deus Salve o Rei” e começamos a falar de possíveis projetos, inclusive o monólogo. Ele topou, fez uma adaptação dinâmica e atual, lapidei com 'meu humor', com algumas histórias reais e observações do cotidiano", explica ela sobre a inspiração no livro.

’Como Ter uma Vida Quase Normal ’’ é uma  comédia sobre a vida de uma mulher contemporânea tentando sobreviver nos dias de hoje. Nesta adaptação, ela coloca um pouco de si em sua personagem como ao tocar piano e dançar sapeteado, além de algumas vivências pessoais. "Uma das grandes vantagens em se fazer um monólogo é isso, você usar algumas experiências para ajudar a contar a história", declara a atriz.

Monique Alfradique
Pino Gomes
Monique Alfradique

"Na verdade tem não só um pouco de Monique ali, como questões de muitas mulheres. Esse discurso autoral se perde porque o próprio público se identifica e se apropria das histórias. Isso é maravilhoso. A peça é ágil, inteligente e engraçado, e narra a história de uma mulher moderna, que depois de passar por decepções amorosas, fracassos profissionais, experiências nada convencionais na vida virtual, permanece incansável tentando lidar e sobreviver com seus dilemas contemporâneos, ou seja, tem muita gente que vai se identificar com as situações abordadas ali, inclusive eu", conta.

Com Rafael Primot, Celia Forte e Selma Morente, a artista faz parte da produção executiva do espetáculo e declara com felicidade: "Essa vivência está me trazendo novos aprendizados e experiências".

Apesar da empolgação com esta novidade na carreira, a artista pontua que não tem sido tão fácil: "Neste primeiro momento da peça estou contando apenas com apoiadores e parceiros, sem a lei de incentivo e tem sido tudo um grande desafio", afirma ela, dizendo ainda que a reação positiva do público tem sido essencial.

Monique aproveita para falar sobre luta em prol da cultura e da arte no atual cenário brasileiro. "É um momento delicado, que está nos levando ao retrocesso. Isso é preocupante. A melhor forma de reagir é fazendo acontecer, não vamos deixar de fazer a nossa arte. Promover a cultura é fundamental para a educação e reflexão na nossa sociedade, para criamos indivíduos que tenham embasamento para dialogar sobre seus deveres e direitos. Estou fazendo isso com minha peça, produzindo e correndo atrás para que as coisas aconteçam, para colocar minha arte na rua", expõe. 

Juju Salimeni mostra gingado com look ousado

Juju Salimeni
Divulgação
Juju Salimeni

Rainha de bateria da X9 Paulistana, Juju Salimeni já está em clima de Carnaval e no último domingo (29) participou da gravação do CD de samba-enredo da Folia 2020 da escola de samba, em São Paulo.

Para a ocasião, a loira apostou na ousadia e caiu no samba usando um micro vestido transparente e para lá de decotado.

A volta de Fall Season na Warner Channel

Divulgação
"Riverdale"

Tem novidade chegando no horário nobre da Warner Channel: a  volta de episódios inéditos das principais séries da emissora. A 4ª temporada de "Riverdale" dá início a Fall Season no dia 9 de outubro, às 21h40.

A programação continua com a 3ª temporada "Young Sheldon" no dia 13, às 22h.  Já os Irmãos Winchester voltam para a 15ª temporada de "Supernatural" no dia 22, às 21h40. Dois dias depois é a vez de "Legacies", série derivada do universo de "The Vampire Diaries", retornar para a 2ª temporada, às 21h40.

"Pacificado" no Festival de San Sebastian

A atriz Debora Nascimento e a produtora Paula Linhares no palco do Festival de San Sebastian
Juan Navarro Gimenez
A atriz Debora Nascimento e a produtora Paula Linhares no palco do Festival de San Sebastian

Na última semana, o Brasil foi contemplado no Festival de San Sebastian, na Espanha. "Pacificado", com direção de Paxton Winters, levou três principais prêmios da ocasião: Melhor Filme, Melhor Fotografia para Laura Merians, Melhor Ator para Bukassa Kabengele. Na ocasião, Debora Nascimento, que também está no filme, recebeu o troféu em nome do ator.

"Pacificado" se passa no Rio de Janeiro e conta a história de Tati, uma menina introspectiva de 13 anos que luta para se conectar com seu pai, libertado da prisão no momento turbulento das Olimpíadas do estado. Enquanto a polícia batalha para ocupar as favelas ao redor do Rio, pai e filha precisam navegar entre as forças que ameaçam suas esperanças para o futuro. 

Ápice da carreira de Monique Alfradique em 2019

Monique Alfradique
Pino Gomes
Monique Alfradique

Além de ‘’Como Ter uma Vida Quase Normal’, ela está pronta para viver a policial Yohana em "A Dona do Pedaço" e brilhar em outros três títulos no cinema: "Virando a Mesa’’, no papel de prostituta e dançarina; "O Amor dá Trabalho’’, uma comédia com Leandro Hassum e em “Reação em Cadeia’’, que mistura filme de ação, suspense e romance.

Ao iG Gente , ela adiantou alguns detalhes de suas personagens nesses títulos, afirmando que todas são mulheres autênticas com  histórias envolventes. Monique ressalta ainda que "Virando a Mesa’’, dirigido por Caio Cobra, "traz ação com uma pitada de humor ácido. Num caminho bem Tarantino e Guy Ritchie". 

"A Nina, de ’Virando a mesa’, é uma dançarina de pole dance, garota de programa, livre e é movida a adrenalina. Fiz alguns meses de preparação, visitei casas noturnas e conversei com algumas meninas que dançavam a noite para compor a personagem, além das aulas de pole dance. Já Lara ("Reação em Cadeira") é uma personagem que flerta com o perigo e é extremamente impulsiva. O filme conta a história de romance, com sequências de ação e suspense. Estou animada para o resultado", informa Alfradique.

Cheia de trabalhos neste último semestre do ano, a atriz está orgulhosa de si e diz: "São muitas produções e fico muito feliz de estar tão presente na indústria cinematográfica e com papéis tão bacanas e distintos. É importante para o ator poder mostrar sua versatilidade. Alguns deles foram gravados em um curto espaço de tempo, outros não, mas calhou de serem lançados no mesmo período. São trabalhos muito bacanas e espero que gostem do resultado".

Leia também: Em meio a polêmicas, Juju Salimeni desabafa: "Nenhuma crise é eterna"

Aos 33 anos, Monique Alfradique fala sobre as mulheres da sua geração e diz acreditar que estão mais conectadas, aprendendo a se protegerem, se unindo e exigindo seus direitos. A artista também opina na importância do movimento feminista dizendo: "Na verdade, é preciso uma uma mudança cultural ampla sobre o respeito aos direitos da mulher e do seu corpo. Essa transformação deveria começar na base, dentro de casa, ter forte apoio na escola".

    Veja Também

      Mostrar mais