Tamanho do texto

Para a atriz, versão contemporânea da personagem com conflitos universais deve repercutir junto ao público. Papo com Alicia Vikander, estreia de nova série brasileira, show de rap e destaques da telinha na coluna Bastidores

O aguardadíssimo reboot de "Tomb Raider" já está em cartaz. Entitulado "A Origem", o filme flagra uma Lara Croft dotada de espírito aventureiro, mas ainda longe de ser a exploradora bem sucedida dos games que deram origem aos filmes estrelados por Angelina Jolie. A produção é estrelada pela sueca Alicia Vikander que admite familiaridade com o universo da personagem. Já que jogou o game tanto na infância como na fase adulta. "Como o projeto é inspirado na versão do game de 2013, que é bem diferente da qual eu estou familiarizada, eu interpretei essa versão e gostei de seu ar contemporâneo", confessa a sueca em entrevista cedida ao iG com exclusividade. 

Leia também: Alicia Vikander e as atrizes suecas que encantam Hollywood

Alicia Vikander e os desafios reais nos sets de Tomb Raider: A Origem
Divulgação
Alicia Vikander e os desafios reais nos sets de Tomb Raider: A Origem

 "Ela é destimida, inteligente e aventureira", observa Vikander que não esconde sua admiração pela personagem. "Como esta é uma história de origem, encontramos Lara ainda hesitante sobre quem ela é e o seu lugar no mundo. A despeito de sua condição privilegiada, eu gosto do fato dela rejeitar uma vida de glamour e descobrir quem ela realmente é nos seus termos", observa a atriz ressaltando que essa é uma característica que pode encontrar eco em qualquer um. O que faz girar o novo "Tomb Raider" é justamente a  relação de Lara com seu pai, Richard Croft. "Ela tem uma relação complexa e delicada com a ausência do pai que desapareceu quando ela tinha 13 anos".

Leia também: Alicia Vikander pospstar e “Jogador nº 1” se destacam em painel fraco da Warner

Alicia Vikander passou por um treinamento intensivo para assumir o papel de Lara Croft no novo Tomb Raider
Divulgação
Alicia Vikander passou por um treinamento intensivo para assumir o papel de Lara Croft no novo Tomb Raider

O luto mal elaborado da personagem é o que motiva suas ações no começo do filme. O pai de Lara é interpretado pelo ator Dominic West, que já havia vivido o pai de Vikander no filme "Juventudes Roubadas". "É provavalmente a razão de eu ter pensado nele imediatamente para viver Richard Croft", comenta a atriz. "Dominic pode ser extremamente habilidoso e centrado e tem uma energia incrível que relamente funcionava para o papel", elogia. 

Na conversa, a sueca fala ainda do momento especial que o filme representa na carreira dela. "Foram tantas coisas que eu jamais havia feito como atriz antes", recorda. "Trabalhar em grandes sequências de ação foi sensacional porque a grande maioria era feita de modo prático e o que você vê na tela é real". Vikander se recorda como se divertiu nos primeiros dias no set ao lado de Walton Goggins , que faz o vilão. "Eramos duas crianças em cima do sárcofago. Foi mágico"!

A luz que vem do rap

Lurdez da Luz se apresenta em São Paulo no próximo sábado
Van Campos
Lurdez da Luz se apresenta em São Paulo no próximo sábado

Uma das pioneiras do hip hop no Brasil, Lurdez da Luz tem uma relação forte com a cidade de São Paulo. Não à toa, carrega a sua quebrada no próprio nome – o bairro da Luz. Ao completar 18 anos de carreira, a rapper decidiu fazer uma retrospectiva do seu trabalho sob um olhar acústico, mas também compilando músicas que tivessem a capital paulista como inspiração. O resultado foi o disco Acrux, lançado no finzinho de 2017. No sábado (24), ela sobe ao palco da Comedoria do Sesc Pompeia para apresentar o trabalho pela primeira vez. A cantora Karina Buhr faz participação especial. O preço dos ingressos para o show, que começa às 21h30, varia entre R$ 6 e R$ 20.

Na rota do sucesso

Mayana Neiva e Antonio Saboia em
Tomas Arthuzzi
Mayana Neiva e Antonio Saboia em "Rotas do Ódio", que estreia neste domingo (18) no Canal Universal

O Canal Universal estreia neste domingo (18), às 23h, sua nova série nacional. “Rotas do Ódio” é uma série de investigação que acompanha os desafios de uma delegacia especializada no combate aos crimes de ódio. O drama é uma coprodução entre a Panorâmica, a Modo Operante e a NBC Universal International Distribution. Já estão garantidas duas temporadas de cinco episódios cada, com a segunda prevista para estrear em setembro.

A atriz Mayana Neiva, no ar como Leandra em
Tomas Arthuzzi
A atriz Mayana Neiva, no ar como Leandra em "O Outro Lado do Paraíso", assume o protagonismo da nova série do Canal Universal

Dirigida por Susanna Lira, é livremente inspirada no trabalho realizado pela Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI) de São Paulo. A atriz Mayana Neiva interpreta Carolina Ramalho Chagas, uma delegada que luta contra esses delitos e busca por justiça.  André Bankoff, Antonio Saboia, Pathy Dejesus, Rafael Losso, Michel Joelsas, Renata Peron, Marat Descartes, Naruna Costa, e Eduardo Semerjian também fazem parte do elenco.

A trama se desenvolve a partir da investigação a respeito da morte de Jaqueline (Pathy Dejesus), uma jovem moradora da periferia. O crime tem conotação de ódio e, para a delegada Carolina Ramalho Chagas (Mayana Neiva), um dos suspeitos do homicídio pode ser Gustavo Zooter, também conhecido como Jason (André Bankoff), que acumula passagens pela delegacia e lidera uma gangue. A cada episódio, Carolina desvenda mais uma peça deste intrincado quebra-cabeça ao lado de seus companheiros, a perita criminal Ana Paula Guerra (Naruna Costa), o agente Teodoro Castro (Marat Descartes) e o chefe de operações Julio Pedrazza (Antonio Saboia).

Diálogo cinematográfico

Willem Dafoe em cena de
Divulgação
Willem Dafoe em cena de "A Última Tentação de Cristo"

Com “Maria Madalena” nos cinemas propondo um novo olhar sobre a relação da mulher descrita por muitos como a primeira prostituta, vale a pena revisitar um dos grandes filmes da carreira de Martin Scorsese. “A Última Tentação de Cristo” é destaque do Telecine Cult no próximo sábado (24), às 22h. No filme, Willem Dafoe faz um Cristo hesitante, com medo de seu destino e que tem pensamentos pecaminosos justamente em relação a Maria Madalena. O filme foi proibido em diversos países e chegou a ser objeto de censura no Brasil também à época de seu lançamento.

A vida pelos olhos de Asghar Farhadi

Por falar em bom cinema e em Telecine Cult, o canal exibirá no próximo domingo (25), os dois mais recentes filmes do cineasta iraniano Asghar Farhadi. “O Passado” (2013) e “O Apartamento” (2016) serão exibidos na sequência a partir das 17h15.

O vencedor do Oscar
Divulgação
O vencedor do Oscar "O Apartamento" é destaque no Telecine Cult

Em “O Passado”, que concorreu ao Globo de Ouro como Filme Estrangeiro, o iraniano Ahmad (Ali Mosaffa) larga a mulher francesa e os dois filhos para retornar ao seu país de origem. Após quatro anos separados, Marie (Bérénice Bejo) pede o divórcio oficial e Ahmad reencontra a família. Mas, durante essa breve passagem, segredos do passado são revelados.

“O Apartamento” traz Farhadi de volta À rotina iraniana. Além de sair consagrado do Oscar como melhor Filme Estrangeiro, o longa teve duas vitórias no Festival de Cannes: Roteiro e Ator, para Shahab Hosseini. O casal Emad (Shahab Hosseini) e Rana (Taraneh Alidoosti) precisa se mudar, provisoriamente, para um apartamento emprestado, já que o prédio onde mora corre risco de desabar. Em paralelo à montagem da peça teatral “A Morte de um Caixeiro-Viajante”, os atores encaram o pior trauma de suas vidas: Rana é surpreendida e supostamente atacada enquanto toma banho no novo apartamento. O marido decide investigar o caso e fica obcecado por vingança.

 Leia também: Novo "Tomb Raider" quer desfazer objetificação da personagem vivida por Jolie

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.