Tamanho do texto

Novo longa com Emílio Dantas no elenco, Cate Blanchett em Cannes e nova música de kendrick Lamar são destaques da coluna Bastidores

O cinema de terror no Brasil tem um nome bem conhecido e representativo, Zé do Caixão. Na vanguarda do gênero, José Mojica tem mais de 50 longas no currículo. Porém, as portas que Mojica abriu seguem gerando oportunidades. Os filmes de terror estão em uma boa fase mundial e o Brasil tem entrado nessa onda, com mais longas de gênero no circuito comercial. No entanto, se a fase é boa ela tende a melhorar com “ Motorrad ”. O novo longa de Vicente Amorim  ("Corações Sujos”, “O Caminho das Nuvens”, “Um Homem Bom”) mergulha de vez no gênero , e tem a chance de leva-lo ao mainstream.

Leia também: "Motorrad" e "O Rastro" mostram que cinema brasileiro vai abraçar o pop em 2017

Divulgação
"Motorrad"

Depois de participar da mostra principal em Toronto, o diretor apresentou o filme da CCXP 2017 e acredita no potencial desse público para abraçar o filme. E a história de “Motorrad” tem tudo para consquitar: ação, suspense, terror e cabeças rolando (uma delas exposta no stand da CCXP). “Esse filme a gente conseguiu mesmo (se aprofundar no gênero). Decidimos não fazer concessões”, explica Vicente. Os personagens foram desenvolvidos pelo quadrinista Danilo Beyruth, enquanto o roteiro é de Amorim, com a colaboração de Beyruth, L.G.Tubaldini Jr. e L.G. Bayão.

Leia também: O futuro do cinema está nos efeitos visuais?

Saindo do armário

Vicente, que tem uma carreira de mais de 20 anos no cinema e começou como diretor de filme de ação de segunda unidade, explica que o gênero foi seu primeiro amor. “Eu tinha um projeto de terror brasileiro e eu levei pra tudo quanto era produtor, ninguém queria – parecia que eu estava maluco. Aí eu segui, fui fazer os filmes que eu fiz – e todos eles, ou quase todos, eu consegui contrabandear um pouquinho do gênero, um pouquinho de ação, suspense, violência”, comenta o diretor. Para ele, a experiência agora foi como “sair do armário”. E ainda gerou novos projetos futuros no gênero.

Roots

Dessa vez, ele achou uma equipe que quisesse embarcar nessa aventura com ele. E que aventura! O filme foi gravado durante quatro semanas na Serra da Canastra (MG), a cerca de duas horas do local civilizado mais próximo. Para chegar no local de produção, até rapel eles fizeram para contar a história de um grupo de amigos motoqueiros que planeja fazer uma trilha, quando são impedidos por um grupo que quer matá-los. O ambiente severo, ou “roots” como definiu Vicente, contribuiu para a ambientação dos atores, que incluem Emilio Dantas e Carla Salles. “A gente vivia na pele a grande parte das dificuldades que os personagens vivam no filme. O efeito final nos personagens não seria o mesmo se fosse gravado num estúdio”, completa.

*Com reportagem de Gabriela Mendonça

Cannes 2018

O tradicional Festival de Cannes anunciou que comandará o jurí em 2018, na 71ª edição. Caberá a Cate Blanchett esse papel. No ano seguinte em que as mulheres mais se destacaram no evento, Blanchett se torna a 12ª mulher na história do festival a ocupar o posto. Aprovamos!

Estrelas

Os nomes envolvidos em “ Pantera Negra ” não param de melhorar. Na última quinta-feira (04) o rapper Kendrick Lamar liberou a faixa “All The Stars” ao lado da rapper SZA. A faixa estará na trilha sonora do filme que, por sinal, terá curadoria de Kendrick.

Leia também: Dez remakes de filmes de terror que valem (muito) a pena

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.