Com a presença de Ministro da Cultura, painel da CCXP discutiu a inclusão do Brasil entre os principais mercados de efeitos visuais ; leia mais

No futuro, todos os filmes usarão efeitos visuais? Jazmin Kuan Veng , uma das criadoras do VFX RIO, acha que sim. O evento que Jazmin ajudou a criar faz parte de uma iniciativa para fomentar o mercado audiovisual brasileiro. "Algumas pessoas não sabem, mas foram brasileiros os responsáveis por criar os softwares que a Dreamworks usa hoje", comenta ela, citando Lucia Modesto, uma das pioneiras em efeitos visuais no Brasil. Jazmin foi uma das participantes do painel sobre efeitos promovido pela CCXP 2017 .

 Painel da CCXP discutiu a inclusão do Brasil entre os principais mercados de efeitos visuais
Gabriela Mendonça
Painel da CCXP discutiu a inclusão do Brasil entre os principais mercados de efeitos visuais

De acordo com Jazmin, o Brasil tem sim condição de ser competitivo mundialmente nessa área, e o maior exemplo disso vem do Gollum. Esse mesmo, o personagem de "Senhos dos Anéis" . Foi Peter Jackson quem ajudou, anos atrás, a fomentar esse mesmo mercado em outro país, a Nova Zelândia. Dan Lemmon, indicado ao Oscar de efeitos visuais e colaborador de Jackson na saga "Senhor dos Anéis", corroborou essa ideia. Ele, que ganhou o Oscar em 2017 por "Mogli: o Menino Lobo", contou que foi a Nova Zelândia para aprender com Jackson, com a ideia de passar apenas 18 meses. Dezesseis anos depois, ele já trabalhou em diversas produções, incluindo a saga dos "Planetas dos Macacos", todas do pequeno país da Oceania.

 Painel sobre efeitos visuais com presença de Ministro da Cultura
Gabriela Mendonça
Painel sobre efeitos visuais com presença de Ministro da Cultura

No Brasil, a ideia é que esse mercado aumente, e o Ministro da Cultura brasileiro, Sérgio Sá Leitão, acredita que o governo pode colaborar. A ideia é criar uma indústria do audiovisual e impulsionar a vinda de estúdios para o País, não só para gravar filmes, mas para utilizar o trabalho de pós e efeitos visuais criados aqui. "Temos uma vocação para isso e temos talento", acredita Leitão.

Na prática

Talvez não seja uma verdade universal que todos os filmes terão efeitos visuais no futuro, mas utilizá-los é agregar mais um recurso a um longa. "Você precisa usar as ferramentas que forem necessárias para contar sua história", acredita o diretor Vicente Amorim. Na CCXP para divulgar seu novo filme, "Motorrad" , ele acredita que efeitos especiais podem ajudar sim, se usados em equilíbrio. "Não tem que evitar efeito eletrônico, mas não tem por que só usar efeito eletrônico", completa. Para ele, o equilíbrio faz com que qualquer produção nacional se equipare a uma hollywoodiana. Mas, enquanto essa "indústria" não se concretiza, a guerrilha segue sendo o melhor efeito visual dos filmes nacionais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.