Ryan teve alta nesta semana
Reprodução/Instagram
Ryan teve alta nesta semana


Ryan Fischer, passeador dos buldogues de Lady Gaga, teve alta do hospital pouco mais de um mês após ser baleado no peito. O incidente ocorreu no fim de fevereiro, enquanto passeava com os pets da cantora pelas ruas de Hollywood.


Dois buldogues franceses da cantora foram roubados na cena do crime, mas logo foram devolvidos. Ryan teve complicações nos pulmões e por isso precisou ficar internado. Partes do pulmão foram removidas. 

No Instagram, ele detalhou a recuperação e compartilhou um vídeo enquanto se vestia para deixar o hospital. "A recuperação não é uma linha reta. J, um parceiro clínico do hospital, disse isso para mim quando fiz uma pausa para recuperar o fôlego e observar outra obra de arte na parede. Foi uma das minhas primeiras caminhadas desde que fui transferido da UTI para outro andar e só o ato de pensar e consumir arte - principalmente depois de um ano sem ir a museus por causa da Covid - parecia um presente", disse. 

"Tudo aconteceu naquele ponto. Eu abri um sorriso olhando para o crocodilo abstrato, me firmei no suporte intravenoso e em seu braço e comecei a andar novamente. A conversa voltou aos sonhos futuros e, embora o apoio que ele e outros me deram nessas caminhadas me oferecesse tanto conforto, não entendi totalmente as palavras de J. Para mim, estava me recuperando incrivelmente rápido. Em dias, passei de sangramento na calçada a paciente excessivamente ativo na UTI (ao que eles não estavam acostumados), a apenas esperar meu pulmão curar para poder ir para casa: tudo parecia bastante simples", escreveu. 

Você viu?

No texto, ele diz que está estável. "E assim, com o tubo torácico removido (o que só posso equiparar à extração de um bebê alienígena) e meu oxigênio no sangue estável, a jornada para fora para me recuperar com entes queridos começou. Eu estava preparado para iniciar silenciosamente um caminho de cura do trauma emocional e continuar meu caminho. A vida voltaria ao normal em breve. Infelizmente, o estranho assobio vindo do meu peito toda vez que eu respirava implorava para discordar daquela avaliação. Seguiu-se uma visita ao médico e um raio-x e logo depois fui levado para o mesmo pronto-socorro onde estivera apenas uma semana antes: meu pulmão havia colapsado e o ar estava enchendo minha cavidade torácica. Além de aceitar a notícia de que estava prestes a ser readmitido, várias enfermeiras e médicos me contaram como estavam na sala quando entrei com meu tiro", disse. 

"Como eles achavam que eu não conseguiria. Minha mente me transportou para aquela noite em que eu estava avaliando o choque e a preocupação em seus rostos quando o sangue jorrou de mim para eles, a mesa e o chão (e eu tentei trazer leveza à situação fazendo piadas e declarações óbvias como 'Bem, isso não parece bom', enquanto eles corriam tentando me estabilizar", afirmou.

Ryan finalizou contando o medo que teve de morrer. "Eu realmente fui confrontado com minha mortalidade. De volta ao hospital, meu pulmão entrou em colapso novamente, apesar do novo tubo torácico cutucando minhas entranhas. E então ele desabou novamente. E de novo. Cada vez foi uma surpresa divertida para mim e para os médicos, já que meu oxigênio no sangue permanecia em ou perto de 100%, então evitei a detecção até que eu estava recebendo um raio-X ou ressonância magnética ou tomografia computadorizada para verificar outros problemas (como o dano do nervo I estava começando a perceber que tinha no meu ombro direito e tríceps)", disse.

"Logo em seguida, uma equipe de pessoas correndo mais uma vez para consertar a torção em meu tubo torácico ou o que quer que estivesse causando o colapso. Ficou claro que meu pulmão não estava sarando e o ferimento à bala havia marcado meu tecido como uma queimadura. Pode levar meses, ou nunca, para o buraco selar. Almoços de queijo grelhado e sopa de tomate e passeios de arte se transformaram em um só até chegar o dia de remover partes do meu pulmão", contou.

"Enquanto eu era levado para a cirurgia, finalmente aceitei que minha recuperação havia se tornado tudo menos uma linha reta. Agora que estou encontrando meu caminho no mundo exterior, onde os gatilhos são reais e trabalhar com o trauma é muito mais do que lidar com um momento infeliz da vida, eu olho para trás, para minha saída do hospital e sorrio que continuo a abordar a cada dia o mesmo caminho. A jornada é difícil, é certamente dolorosa, e escolhas questionáveis ​​que não me servem mais como usar jeans skinny são feitas. Mas eu tento. E em algum lugar nisso encontro o absurdo, a maravilha e a beleza que esta vida oferece a todos nós", finalizou.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários