Durante a maior parte da carreira, a cantora Paula Toller carregou a fama de antipática e precisou lidar com inúmeras críticas. Ela acredita que foi “cancelada” há anos, mas que isso não a impediu de correr atrás dos seus sonhos na música. Em uma live com o pesquisador musical Rodrigo Faour, a artista, que completou 58 anos, também falou do fim do Kid Abelha.

Paula Toller
Reprodução/Instagram
Paula Toller

“Apanhei muito. Hoje em dia fala-se muito de cancelamento, mas eu sou cancelada pela crítica há décadas. Estou acostumada. Era um massacre, um bullying. Atualmente teria mil nomes para isso. É claro que eu também estava aprendendo. Fazia um monte de coisa que deu certo e um monte de coisa que não deu. Mas eu tinha, sim, a ambição de ser uma compositora, uma cantora, uma artista”, afirmou Paula Toller.

A artista também falou sobre o fim do Kid Abelha e do respeito que tem pela história do grupo. “É uma coisa que só foi boa. Acabou porque tinha que acabar porque não seria mais boa. Tem uma hora que os personagens não cabem mais em você. Sinceramente, tive muita sorte de fazer sucesso muito cedo, de fazer um grande sucesso muito cedo. Estou falando de coração. Só tenho boas lembranças. Tudo de bom que tenho na vida foi a música que me deu”, disse.


O título de musa também esteve presente na carreira da artista e ela recebeu inúmeros convites para posar nua, mas negou todos. “Imaginava eu naquele ônibus com a banda viajando... E aquelas pessoas ali, folheando a revista... Meu filho pequeno... Foram várias propostas. Tinha uma espécie de ranking na época, das mais desejadas, que eram as que não topavam. Mandavam flores, chocolate.”

Para o futuro, Paula Toller quer continuar trilhando seu caminho na música. “Eu amo cantar e cada vez mais. Graças a Deus minha voz está intacta e tenho saúde vocal. Batalho um bocado por ela. Eu tenho um lugar no mercado. É claro que tem uma geração que não me conhece muito bem, mas sinto que meu trabalho passa pelas gerações e as pessoas vão tendo curiosidade. Tenho uma carreira sólida”, concluiu.

    Veja Também

      Mostrar mais