O comentarista da CNN Brasil Caio Coppolla foi diagnosticado com a Covid-19. Ele falou sobre o diagnóstico ao vivo durante o programa “O Grande Debate” na última terça-feira (28). O profissional chegou a ser afastado em março ao apresentar um quadro suspeito, mas a princípio não chegou a fazer o teste para o novo coronavírus porque só estavam sendo testas pessoas que apresentavam um quadro grave.

Leia também: Caio Coppolla se afasta da CNN Brasil e web dispara: "Já meteu atestado?"

Caio Coppolla
Reprodução/CNN Brasil
Caio Coppolla teve a Covid-19, mas já se recuperou


A CNN chegou a divulgar que Caio até tinha feito um teste, mas o resultado não era 100% certo porque ele não fez o teste considerado mais preciso. Mesmo já estando recuperado, o comentarista resolveu fazer um “teste de rastreio” que identificou o padrão da Covid-19 e isso pode ajudar em pesquisas para encontrar um tratamento.

Leia também: Monalisa Perrone corrige comentarista ao vivo: "Precisamos ser fiéis aos fatos"

“Tenho que vir a público, porque isso não ficou claro. Fui afastado por suspeita de contaminação por covid-19. À época eu fui para o hospital e não consegui fazer exame. Os exames eram só para casos graves”, contou Caio. “Hoje eu fiz o teste e, de fato, contraí a doença. Estou nas tristes estatísticas, mas como paciente recuperado”, acrescentou.

Vale lembrar que o comentarista chegou a reclamar ao vivo de não poder fazer seu trabalho de casa. “O nosso comentário pode estar sendo feito de casa, mas por uma questão meramente estética e cosmética, a gente vem ao estúdio e assume o risco de sermos contaminados e estamos aqui trabalhando”, disse na ocasião.

Leia também: Em isolamento, ex-Globo Mari Palma diz que os sintomas da Covid-19 persistem

Monalisa Perrone precisou interromper o debate e disse: “A CNN Brasil deixa muito claro que segue as regras e, para lembrar a todos, os debatedores, os senhores e as senhoras que nos acompanham, o trabalho da imprensa no mundo inteiro é considerado um trabalho essencial nesse momento de pandemia. Quem diz isso não sou eu, é a Organização Mundial da Saúde”.

    Veja Também

      Mostrar mais