O escritor Luis Sepúlveda morreu nesta quinta-feira (16) no Hospital Universitário Central das Astúrias (HUCA), na capital do principado, conforme confirmado pela família. Sepúlveda foi um dos primeiros casos de coronavírus positivo na Espanha. Após um mês e meio de luta contra a doença, o romancista chileno morreu aos 70 anos.

Leia também: Escritor Rubem Fonseca morre, aos 94 anos, no Rio de Janeiro

Luis Sepúlveda arrow-options
Reprodução/Instagram
Luis Sepúlveda morreu vítima do coronavírus


O autor de "Um velho que lia romances de amor" começou a se sentir mal em 25 de fevereiro e foi imediatamente diagnosticado com pneumonia aguda sem histórico. Confirmado o positivo para Covid-19 , o protocolo foi ativado e o paciente foi transferido para o hospital universitário.

Autor de mais de vinte romances, livros de viagem, roteiros e ensaios, Sepúlveda deixou o Chile em 1977, depois de ser perseguido pela ditadura de Augusto Pinochet. Após uma longa jornada pela América Latina, que incluiu sua participação na revolução sandinista na Nicarágua (ele também esteve na Argentina, Uruguai e no Brasil), ele se assentou em 1997 em Gijón, cidade no principado das Astúrias, no noroeste da Espanha.

Leia também: Morre a cineasta Sarah Maldoror vítima da Covid-19

Algumas de suas obras foram adaptadas para o cinema, como "História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar", que ganhou uma versão animada pelo italiano Enzo D'Alò, ou "Um velho que lia romances de amor", dirigido pelo australiano Rolf de Herr.

Sepúlveda sempre dizia que havia nascido "profundamente vermelho". Ele militava em várias formações comunistas e socialistas, mas quase sempre acabava desencantado. Era um ótimo viajante: adorava investigar diferentes culturas e grupos étnicos. "O maior tesouro da espécie humana", disse ele sobre as idiossincrasias regionais.

Engajamento ambiental

Com uma forte consciência ambiental, ele trabalhou em um dos navios do Greenpeace por vários anos na década de 1980. Ele dedicou um de seus romances,"História de um cão chamado Leal" , ao povo mapuche, indígenas da região centro-sul do Chile e do sudoeste da Argentina. Um de seus avós era um mapuche. "O povo mapuche é constantemente assediado. Suas demandas, que são bastante justas, são respondidas com a repressão e a aplicação de absurda legislação antiterrorista ”, ressaltou na apresentação do romance, em 2016. Seu último romance, publicado em 2019, é a fábula infantil "História de uma baleia branca", inspirada no clássico "Moby Dick".

Durante sua longa carreira como escritor , recebeu vinte prêmios, entre eles o prêmio Pegaso de Oro, em Florença, ou o Prêmio da Crítica, no Chile. Ele também é Cavaleiro das Artes e Letras da República Francesa e médico honorário da Universidade de Urbino, na Itália.

Em uma reunião com os leitores do El País , Sepúlveda definiu o tratamento dos personagens em seus romances da seguinte maneira: “O bom romance ao longo da história tem sido a história dos perdedores, porque os vencedores escreveram sua própria história. Cabe aos escritores dar voz aos esquecidos ”.

Leia também: Cantor sertanejo Leandro Breda morre de dengue hemorrágica aos 27 anos

Em outro momento da conversa, ele explicou sua técnica narrativa: "Eu passo inteiramente a história que estou contando e gosto de ser muito fiel aos meus personagens, de me apaixonar por eles, porque sei que o leitor, ao ler, sentirá uma emoção muito semelhante à que sinto ao escrever, e isso é a coisa mais bonita da literatura: poder compartilhar emoções e sentimentos”.

Sepúlveda deixa a mulher, Carmen Yáñez, e os filhos Carlos Lenin, Paulina, Sebastián, Amadeus, Max e León.

    Veja Também

      Mostrar mais