Fernando Rocha usou as redes sociais para desabafar na noite desta quarta-feira (8). O jornalista tem vivido um drama familiar de saúde muito forte, já que seu pai, de 82 anos, e seu filho, Pedro Rocha, foram diagnosticados com o novo coronavírus , Covid-19.

Leia também: Ator de Aliens e Batman, Jay Benedict, morre devido ao novo coronavírus

Pedro Rocha, Dalai Rocha e Fernando Rocha arrow-options
Reprodução/Instagram
Pedro Rocha, Dalai Rocha e Fernando Rocha


"Números, porcentagens e estatísticas parecem não fazer o menor sentido quando o coronavírus bate na porta de casa. Primeiro meu pai de 82 anos, Dalai Rocha, depois meu filho, Pedro Rocha, de 28. A sensação imediata é de desamparo. Olhava o noticiário que rodava em ritmo frenético as atualizações de casos confirmados. Dois números ali naquele oceano de informações, que vão fazer parte de dados mundiais têm o meu sobrenome", escreveu Fernando Rocha em seu Instagram .

Leia também: Shows prejudicados pelo coronavírus terão 12 meses para acontecer

O jornalista disse que tem sido muito difícil conter a saudade da família e não poder estar perto deles neste momento. "Seguido do susto vem uma outra de onda de dúvida e ansiedade: a limitação da distância. Eu aqui em São Paulo e os dois em Belo Horizonte, Minas Gerais. Telefonemas, vídeos, intensidade de contatos virtuais e afagos pra saber a evolução dos sintomas. Eles seguem firmes e sem febre. Meu coração bate com eles e também por causa deles. Eles vão ficar bem."

Leia também: Ator Allen Garfield, de "Um Tira da Pesada", morre devido novo coronavírus

Por fim, Fernando Rocha pediu para que as pessoas continuem em casa para que todos consigam vencer essa batalha. "Quando o inimigo entra na nossa casa a gente tem noção do tamanho dessa guerra. Quando nossa família entra para estatística a gente tem que entrar na luta. E uma das armas mais poderosas nessa batalha é a informação Não tenha dúvida, tenha certeza: É preciso ficar em casa", afirmou.

Ver essa foto no Instagram

Números, porcentagens e estatísticas parecem não fazer o menor sentido quando o coronavírus bate na porta de casa. . Primeiro meu pai de 82 anos, Dalai Rocha, depois meu filho, Pedro Rocha, de 28. . A sensação imediata é de desamparo. Olhava o noticiário que rodava em ritmo frenético as atualizações de casos confirmados. Dois números ali naquele oceano de informações, que vão fazer parte de dados mundiais têm o meu sobrenome. . Dois números eu entendo, eu conheço, eu percebo. Dois números que literalmente fazem parte de mim. . Estão misturados em uma contagem que não para de crescer. Eu não consigo olhar para essas informações sem enxergar uma parte do meu coração. . Seguido do susto vem uma outra de onda de dúvida e ansiedade: a limitação da distância. Eu aqui em São Paulo e os dois em Belo Horizonte, Minas Gerais. Telefonemas, vídeos, intensidade de contatos virtuais e afagos pra saber a evolução dos sintomas. . Eles seguem firmes e sem febre. Meu coração bate com eles e também por causa deles. Eles vão ficar bem. . Quando o inimigo entra na nossa casa a gente tem noção do tamanho dessa guerra. Quando nossa família entra para estatística a gente tem que entrar na luta. E uma das armas mais poderosas nessa batalha é a informação Não tenha dúvida, tenha certeza: . É preciso ficar em casa.

Uma publicação compartilhada por Fernando Rocha (@fernandorocha) em



    Veja Também

      Mostrar mais