O camaronês Manu Dibango, lenda do saxofone e famoso pelo hit “Soul makossa”, morreu aos 86 anos após complicações causadas pelo coronavírus . O músico estava internado há uma semana para tratar a doença. O anúncio foi feito em sua página oficial numa rede social.

Leia também: Sogra de Adriane Galisteu está internada em estado grave com coronavírus

Manu Dibango arrow-options
Reprodução/Facebook
Morre o músico Manu Dibango por conta do coronavírus


"É com profunda tristeza que anunciamos a perda de Manu Dibango , nosso ‘Papy Groove’”, diz um comunicado em sua página do Facebook citando seu apelido entre os músicos.

Leia também: Pandemia: os famosos que foram infectados pelo novo coronavírus

Emmanuel “Manu” Dibango estourou com “ Sou makossa ” no início dos anos 1970. Primeiro lançamento de um artista africano a ganhar disco de ouro nos EUA, uma das faixas prediletas dos DJs de Nova York que iniciaram o movimento disco e precursora do que se conheceria como world music, ela fez história no pop. Seu cântico “ma-mako, ma-ma-sa, mako-makos-sa” foi adaptado em sucessos como “Wanna be startin' something” (Michael Jackson) e “Don't stop the music” (Rihanna).

Amigo do nigeriano Fela Kuti, o camaronês continuou a buscar um som contemporâneo e universal em discos como “Gone clear” (1979, gravado com a grande cozinha jamaicana do reggae, Sly & Robbie) e “Electric Africa” (1985, com o pianista e gigante do jazz Herbie Hancock e o tecladista mestre do funk Bernie Worrell).

Leia também: Luísa Mell e o marido testam positivo para o coronavírus

Em sua última passagem pelo Brasil , em 2016, o saxofonista se encantou com a Feira da Yabás, em Madureira, onde participou de uma roda de samba,

— Foi muito interessante. Lá, pela primeira vez, pude perceber a grande diversidade da música brasileira. Todos cantam juntos, há brancos e negros... e eu cantei também! — afirmou na ocasião ao GLOBO.

    Veja Também

      Mostrar mais