Tamanho do texto

Justiça do Rio considerou improcedente pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais; Luana citou caso de suposta agressão a esposa em vídeo

Kadu Moliterno e Luana Piovani arrow-options
Divulgação
Kadu Moliterno entrou com um processo por danos morais contra Luana Piovani após declarações em vídeo, mas perdeu

O ator Kadu Moliterno, 67, teve um recurso negado pela Justiça do Rio de Janeiro em processo contra a atriz Luana Piovani, 43. Ele pedia uma indenização de R$ 50 mil por danos morais. O Tribunal divulgou a decisão na última quarta-feira (13).

A motivação do processo foi uma  declaração da atriz feita em seu canal no Youtube, em 2017, em que ela afirma que Kadu Moliterno teria batido na esposa. 

Veja também: Quem é a mãe? Pedro Scooby será pai de novo, diz amigo

Na  época, a Luana Piovani comentava o caso de denúnica de assédio  envolvendo o também ator José Mayer e divulgado pela imprensa. Ela citou o ex-noivo Dado Dolabella e o ex-colega de cena Kadu Moliterno, afirmando que ambos não foram punidos após casos de agressão a companheiras. 

Anitta ou Scooby? Luana Piovani manda indireta misteriosa e intriga web

“O Kadu, que já foi meu par, bateu na esposa. Ela foi capa da revista Veja com a manchete: ‘Não foi a primeira vez’ e não soube de condenação. Ele continua trabalhando, fazendo novelas , posando com as novas namoradas para as revistas de celebridades”, criticou a atriz. 

Recurso

Kadu Moliterno já havia perdido o processo de indenização por danos morais na Justiça do Rio em primeira instância . Nesta semana, a decisão ocorreu em segunda instância após Moliterno entrar com recurso contestando a decisão.

Sortudo! Kadu Moliterno compartilha topless da esposa e faz declaração

Agora, novos recursos podem ser movidos em tribunais superiores. 

Na primeira sentença do processo, o episódio foi classificado como “situação fática que pode ser classificada como mero dissabor, decorrente do legítimo direito de criticar e ser criticado, o que se constitui na maior garantia assegurada a todos que possuem o privilégio de viver nos regimes democráticos”, afirma a decisão.