Tamanho do texto

Cantora comentou ainda sobre seu novo álbum e fez duras críticas ao presidente americano, Donald Trump

Em entrevista à revista Vogue, Rihanna revelou que disse "não" para o Super Bowl em apoio ao jogador Colin Kaepernick, que foi banido da liga de futebol americano após se ajoelhar durante a execução do hino nacional em 2016.

Leia também: Rihanna é cotada para viver vilã em novo "Batman"

Rihanna arrow-options
Divulgação
Rihanna


"Não podia me atrever a fazer isso. Para quê? Quem ganha com isso? Não o meu povo. Simplesmente, não podia ser uma vendida. Há coisas com que não estou de acordo em nada com essa organização. Eu não iria aparecer e serví-los de maneira alguma", disse a Rihanna .

Leia também: Rihanna aumenta a temperatura com foto sensual no Instagram

A cantora também falou sobre o seu próximo álbum, que ela confirmou que será inspirado no reggae .

"Eu gosto de olhá-lo como um álbum inspirado no reggae, ou com uma mistura do reggae", afirmou. "Não vai ser algo típico ou o que você conhece como reggae. Mas você vai sentir os elementos em todas as faixas", garantiu.

Leia também: Rainhas do pop, Lady Gaga e Rihanna investem na indústria cosmética 

À Vogue a artista não poupou críticas ao presidente americano, Donald Trump , e o chamou de "o homem mais mentalmente doente dos Estados Unidos".  

    Leia tudo sobre: Rihanna Donald Trump