Tamanho do texto

Compositor foi parceiro de bambas como Cartola, Paulinho da Viola e Zé Ketti, entre outros. Ele se afastou dos palcos em 2014 ao ficar cego

Um dos maiores compositores e melodistas do samba, Elton Medeiros morreu aos 89 anos. A notícia foi confirmada por Vidal Assis, último parceiro epupilo do sambista . Carioca, Medeiros é autor de clássicos como "Pressentimento", "Peito vazio" e "O sol nascerá". Ele foi parceiro de bambas como Paulinho da Viola, Cartola, Zé Ketti, Mauro Duarte, Hermínio Bello de Carvalho, entre outros.

Leia também: Morre o ator global João Carlos Barroso aos 69 anos vítima de câncer

Elton Medeiros arrow-options
Reprodução/Instagram/@emersson.ursoo
Elton Medeiros será enterrado em Catumbi


Uma das últimas aparições públicas do cantor foi em 2017, no "Programa do Bial", quando fez uma homenagem a Cartola. O músico estava afastado dos palcos desde 2014 quando teve um problema de visão que o levou à cegueira. A composição, porém, jamais largou (“Nunca parei de compor. Jogador de futebol é que é velho aos 40...”, afirmou em entrevista ao GLOBO em 2016 ).

Leia também: Atriz mexicana Edith González morre aos 54 anos

Apesar de ter nascido na Glória, foi em Brás de Pina que ele compôs seu primeiro samba , aos 8 anos. E foi lá também o início de sua trajetória no carnaval. Aos 16 anos, fundou o bloco Tupi de Brás de Pina (hoje escola de samba). Mais tarde, foi para a ala de compositores da Aprendizes de Lucas, onde ganhou sua primeira disputa de samba-enredo, em 1954.

O artista gravou alguns dos discos lendários do gênero como "Samba na Madrugada" (com Paulinho da Viola), "Elton Medeiros" e "Quatro grandes do samba" ( com Nelson Cavaquinho, Candeia e Guilherme de Brito). O músico será enterrado hoje no Catumbi às 15h30.

Leia também: Morre Sonia Abreu, primeira DJ mulher do Brasil, aos 68 anos

Mundo do samba lamenta

Parceiros e admiradores de Elton Medeiros postaram mensagens nas redes sociais lamentando a morte do compositor. Nelson Sargento publicou "Com certeza está sendo recebido com uma grande roda de samba!". A cantora Teresa Cristina lembrou de seu "jeito de cantar diferenciado" e definiu o bamba como "Um gigante".