Novo filme do aclamado Park Chan-Wook é uma história de amor inusitada, regada a ganância e fetiches sexuais. É, também, uma fábula feminista

É possível contar nas mãos os mestres que estão em atividade no cinema atual. Um William Friedkin aqui, um Martin Scorsese ali, mas o cinema moderno anda carente de mestres – aquela categoria de cineastas infalíveis. Park Chan-Wook , o sul-coreano responsável por “Oldboy” (2003) e “Lady Vingança” (2005), já pertencia a essa categoria, mas “A Criada”, seu mais novo e espetacular filme, dissipa toda e qualquer dúvida sobre seu merecimento de figurar em tão distinta seleção.

Leia mais: Diretor evoca Shakespeare e tira dos trilhos a  adaptação de "Assassin´s Creed"

Cena do filme A Criada
Divulgação
Cena do filme A Criada

À vontade com a alcunha de mestre, Chan-Wook faz de “A Criada” uma verdadeira aula de narrativa. Mais: proporciona um espetáculo de ilusionismo em plena era da superinformação e conta um conto maliciosamente sensual sobre ganância, tradição e amor na Coréia sob ocupação japonesa na década de 1930.

Leia mais: Cinema brasileiro terá presença expressiva no Festival de Roterdã, na Holanda

Um oportunista (Jung Woo-Ha) vê a possibilidade de seduzir a herdeira de uma fortuna japonesa que vive sob as rígidas rédeas de um tio autoritário e para isso escala Sookee (Kim Tae-ri), uma charlatã escorregadia, para atuar como criada de Hideko (Kim Mon-hee) e ajudá-lo na tarefa de seduzi-la. O plano começa a descarrilar quando Sookee começa a se apaixonar por sua patroa.

Uma das cenas eróticas de A Criada
Reprodução
Uma das cenas eróticas de A Criada

Chan-Wook capricha na narrativa e na confecção das expectativas do público, apenas para subvertê-las por completo mais à frente. À parte a exuberância técnica apresentada pelo filme, dos figurinos à direção de arte, “A Criada” sobeja em algo raro no cinema atual: frescor. Apesar de contar uma história relativamente banal (quem nunca viu um golpe do baú antes?), Chan-Wook o faz com a gentileza de um artesão e a malícia de uma cortesã. Não é à toa, que o filme é perigosamente sensual e oferta a cena de sexo lésbico mais explosiva desde “Azul é a Cor Mais Quente” (2013).  

Leia mais:  Os 15 filmes mais aguardados de 2017

Trata-se de um daqueles filmes que quanto menos dele se falar, melhor. Chan-Wook domina com anta expertise as matizes do cinema de gênero, mas também do cinema de autor, linhagens complementares, mas que apenas os mestres são capazes de harmonizar, que o queixo do fã do bom cinema vai ao chão mais de uma vez durante a sessão. “A Criada” é cinema tão superlativo que causa estranhamento. Mas do melhor tipo possível.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.