Tamanho do texto

Ao ser entrevistado por Luciana Gimenez durante o programa "Luciana By Night", que vai ao ar nesta terça (18), Roberto Cabrini falou sobre jornalismo

Roberto Cabrini falou sobre jornalismo e fake news durante sua participação no programa " Luciana By Night ", comandado por Luciana Gimenez . O programa que vai ao ar nesta terça-feira (18) às 22h45 na RedeTV!  conta com depoimentos do jornalista sobre seus colegas de profissão e a credibilidade da informação.

Roberto Cabrini fala sobre jornalismo e fake news em entrevista com Luciana Gimenez no
Divulgação/RedeTV!
Roberto Cabrini fala sobre jornalismo e fake news em entrevista com Luciana Gimenez no "Luciana By Night"

Leia também: Palco de debates, Twitter enseja novos desafios ao jornalismo cultural

Durante a entrevista, o jornalista Roberto Cabrini , conhecido principalmente pelo programa"Conexão Repórter", falou sobre fake news e seu impacto no jornalismo: “As fake news valorizam nosso trabalho, porque as pessoas procuram quem é percebido pela população como tendo credibilidade para diferenciar o que é mentiroso daquilo que não é”, declarou.

A tecnologia também entrou em pauta durante a conversa entre Cabrini e Luciana Gimenez: “Com um smartphone eu faço uma reportagem ganhadora de prêmios em qualquer parte do mundo", o jornalista disparou.

"Por outro lado, têm as fake news e, hoje em dia, a gente também é contestado em tempo real, confrontado com fatos e isso é bom, porque antigamente jornalistas se colocavam num pedestal, acima do bem e do mal e com arrogância. Nós somos apenas uma continuação da sociedade e cada nação, cada país, tem o jornalismo que merece”, Cabrini pontuou.

Leia também: Izabella Camargo, William Waack e mais: jornalistas demitidos de modo polêmico

Roberto Cabrini relembra seus feitos no jornalismo

Roberto Cabrini no
Reprodução
Roberto Cabrini no "Conexão Repórter"

Roberto fez um balanço de seus 35 anos de profissão durante a participação no "Luciana By Night". Como primeiro jornalista a noticiar a morte de Ayrton Senna, Cabrini apontou: “Com certeza o carro foi o grande culpado. Houve um inquérito, que acho que não foi justo, e estou convencido até hoje de que ele morreu na pista”. O jornalista ainda falou de sua relação com o corredor: “Era uma relação profissional, nos respeitávamos muito, tínhamos momentos de descontração".

Atuante em coberturas de guerra, Cabrini dissertou diante das emoções nesse tipo de jornalismo: “A gente se envolve, mas vai evoluindo na profissão. Você vai crescendo e vai ensinando a sua mente a ser o piloto e não o passageiro da sua atividade profissional. Eu treino todos os dias para ter emoção, porque a emoção faz com que você tenha sintonia com o público, mas sem perder a possibilidade de dar informações com precisão”.

Leia também: Deu ruim! Dez vezes que o jornalismo rendeu processos milionários

A entrevista com Roberto Cabrini também rendeu depoimentos diante da política e a participação da população: “Acho que o brasileiro está muito condicionado a culpar o governo, quando, na verdade, a solução esta em nós. Nós tomamos as decisões, nós fazemos o país melhor ou pior, nós podemos exercer a cidadania, nós podemos encontrar soluções que dependem mais da gente do que dos governos", o jornalista afirmou.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.