Tamanho do texto

Alexandre Farias, apresentador do ABTV 2ª Edição, da Re de Globo de Caruaru, voltava para casa quando foi atingido por um disparo

Alexandre Farias , apresentador do ABTV 2ª Edição , da Rede Globo de Caruaru, foi vítima de uma bala perdida na noite do último sábado (16). O fato aconteceu no bairro do Alto do Mouro, em Caruaru, no Agreste de Pernambuco logo após o jornalista apresentar o telejornal. Ele saiu para jantar em um supermercado da região e quando voltava para casa foi surpreendido pelo disparo.

Leia também: Morre o jornalista Marcelo Rezende aos 65 anos após luta contra o câncer

O jornalista Alexandre Farias está em estado grave após ser atingido por bala perdida
Reprodução/Globo
O jornalista Alexandre Farias está em estado grave após ser atingido por bala perdida


De acordo com a Rede Globo, os policiais informaram que os assaltantes estavam em um carro roubado, quando houve perseguição e a troca de tiros. Na fuga, além de atingirem o jornalista , os bandidos atropelaram os socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que estavam em uma ocorrência no local. Uma auxiliar de enfermagem foi atingida.

Leia também: Morre Harry Dean Stanton, de "Paris Texas" aos 91 anos

Alexandre Farias foi socorrido e levado em estado grave para o Hospital Regional do Agreste (HRA) e transferido para hospital Unimed, também em Caruaru.

Coma induzido

Na madrugada deste sábado (17), Alexandre passou por procedimentos cirúrgicos e está em coma induzido. Segundo a emissora, a cirurgia durou cerca de 4 anos, o estado do apresentador ainda é grava e o coma deve durar de três a quatro dias.

Leia também: Cobertura da morte de Domingos Montagner foi espinhosa e turbulenta

De acordo com o neurocirurgião Ronaldo Neves o jornalista, foi operado em tempo hábil. "O tipo de trauma craniano que ele sofreu é grave. O dano cerebral é bem difuso, ele chegou em uma escala de coma bem rebaixado. Ainda há viabilidade neurológica. Nesta fase, vamos deixar ele dormindo sedado para o cérebro descansar e diminuir o metabolismo cerebral, já que o cérebro foi agredido e está inchado. A expectativa é positiva. Não vamos perder a esperança", afirma o médico. "É muito cedo falar em sequelas, é precoce. Só teremos uma avaliação detalhada nos próximos dias quando ele for despertado. No mínimo depois de 72, 96 horas. A possibilidade que ele viva é grande", finalizou o neurocirurgião.