Tamanho do texto

Os dois formatos são bem diferentes mas, ás vezes, atraem o mesmo público. Como a linguagem de cada um agrada os espectadores, o que os folhetins podem melhorar e mais: séries são melhores que novelas?

O que é melhor, série ou novela ? Se você é da turma da maratona, provavelmente vai dizer o primeiro. Se é noveleiro, o segundo. Mas é justo comparar os dois formatos ? Afinal, ambos fazem sucesso e são eficientes na sua própria linguagem. E tudo bem. Mas, quando esses mundos colapsam por meio dos espectadores que não querem (e nem precisam) escolher um lado, fazer comparações entre séries e novelas acaba sendo uma consequência.

Leia também: Novelas: relembre oito casais que gostaríamos de ver novamente

Atualmente no horário das 21h,
Reprodução/Globo
Atualmente no horário das 21h, "A Força do Querer" também tem alguns "vícios" de novelas

“Adoro novelas, sou louca pelo formato”, comenta Letícia Bastos, publicitária e social media. Mas ela também conta que o que a levou às séries foi justamente o esgotamento do formato.  “Foi por estar um pouco cansada da mesmice das novelas que corri para as séries, e me apaixonei”, conta. Mesmo assim, ela não consegue escolher uma favorita: para ela é um caso de amor por novelas, versus um caso de paixão por séries. No final, dá empate.

Leia também: “A Força do Querer” e a importância do merchandising social em novelas

O sentimento de Letícia é compreensível,  ainda mais se considerarmos como as novelas brasileiras têm se tornado mais dinâmicas. Apesar de ainda manter os cenários estáticos e com uma perspectiva (o que é compreensível pelo tempo, já que são diárias), as novelas têm tido uma mudança de fotografia que oferece mais dinamismo e as aproximam mais das séries. Hoje, as cenas são refeitas várias vezes, utilizando câmeras com ângulos diferentes e, mesmo os cenários estáticos ganham mais dinamismo, permitindo que o ator se mova mais em cena, ficando menos engessado.

Divulgação
"Jane The Virgin" foi adaptada de uma novela venezuelana com sucesso para o público de séries

Não a toa, as vezes um formato pula para outro. A série americana “ Jane The Virgin ” e baseada na telenovela  venezuelana “Juana la Virgen” é um exemplo. A versão seriada deu tão certo que a atriz principal, Gina Rodriguez, levou o Globo de Ouro de melhor atriz, enquanto a série, que já está com a quarta temporada garantida, é sucesso de público. “ Revenge ”, outra série que durou por alguns anos, utilizava uma temática novelesca em sua história, e também angariou muito fãs. “ Betty a Feia ”, criada na Colômbia e com uma versão brasileira, também foi um sucesso pelos quatro anos que ficou no ar.  

Diferenças

Claro que, para serem transformadas em séries, essas histórias tiveram uma mudança na sua linguagem. Mas, para fazer uma comparação atual, “Jane” utiliza recursos da telenovela, ao mesmo tempo que retrata elas, tanto pelo gosto das personagens, quanto pelo próprio pai de Jane, Rogelio De La Vega (Jaime Camil), que é ator do formato. Além disso, as liberdades poéticas  que as vezes são vistas como “absurdos” nas novelas se fazem presentes em histórias paralelas, como uma assassina e traficante internacional que faz cirurgias plásticas para não ter o rosto conhecido.

Mas “Jane The Virgin” consegue tomar certas liberdades que as novelas não têm, como o uso de uma narração “voice-over”, ou até mesmo na narrativa. Uma série, seja com 10 ou 24 episódios, pode desenvolver melhor seus arcos e apostar em menos personagens. “As séries possuem uma linguagem e textos mais claros, objetivos e dinâmicos. Por trabalhar por esquema de temporadas, não há tempo de esticar e detalhar (até demais) histórias, como acontecem em novelas”, comenta Eduardo Nogueira, que também consome os dois formatos. Além disso, Eduardo acredita que as séries abordam um leque maior de histórias, com riscos menores de caírem na famosa "barriga", que acaba acontecendo nas novelas.

Por serem diários, os folhetins acabam incluindo cenas, diálogos e situações que servem apenas para “preencher” o tempo até que a história principal se desenvolva. Isso acaba aumentando o elenco e criando essas “barrigas”, cenas que não tem um propósito real.

Maratona

Talvez por isso, novelas não sejam ideais para as “ maratonas ”, ou seja, assistir vários episódios de uma só vez.  “Amo fazer maratonas de séries. Porém, quando se trata de novelas, prefiro assistir a vídeos avulsos no YouTube. Antigamente cheguei a ‘maratonar’ “A Usurpadora” e “Maria do Bairro”, quando ainda estavam na Netflix ”, comenta Eduardo.

Netflix mudou a maneira de ver séries e é adorada para quem gosta de fazer
Reprodução
Netflix mudou a maneira de ver séries e é adorada para quem gosta de fazer "maratona"

O hábito, que pode até servir para novelas antigas, não é comum entre os espectadores, o que não significa que isso não pode mudar no futuro. A Rede Globo , por exemplo, tem investido muito em sua plataforma on-line, o Globo Play , disponibilizando capítulos na íntegra, séries que ainda não estrearam na TV e novelas antigas, para os saudosistas. E esse, talvez, seja o principal gancho para motivar as “maratonas” de novelas. Tanto Letícia quanto Eduardo assistem produções no Canal Viva, como “ Tieta ”, “Por Amor” e “Torre de Babel”. Letícia, inclusive, diz que planeja começar uma maratona de novelas.

Por enquanto, eles focam suas energias nas séries. “Atualmente prefiro muito mais séries”, confessa Eduardo. “Por conta, justamente, de sua linguagem dinâmica, nos faz aumentar a vontade de sempre assistir um episódio atrás do outro, algo que em novela não acontecesse tanto assim”, comenta.

Letícia também destaca a ousadia em buscar histórias novas. As novelas das 21h já vivem uma crise existencial por conta das histórias sempre parecidas. “São sempre histórias recicladas, tudo muito linear, tudo sempre com fase 1 e fase 2, com viagem para o exterior no início, com um vilão maquiavélico e uma mocinha boazinha demais. É tanta mesmice que cansa”, confessa.

Apesar de outros horários buscarem se renovar, utilizando novos autores, novelas abrem menos espaço para narrativas ousadas. Além disso, alguns recursos estão ultrapassados e precisam ser alterados, assim como foi feito com a fotografia, como por exemplo, o uso de monólogos para expressar um sentimento ou um plano de um personagem. Esse recurso, além de batido, já não convence mais o espectador, que é capaz de entender e acompanhar o raciocínio, sem a necessidade de uma explicação forçada.

Fator nostalgia: novelas antigas, como
Divulgação/TV Globo
Fator nostalgia: novelas antigas, como "Tieta", podem migrar o público da TV para as plataformas digitais

Esse é um ponto que, menos explorado, pode aproximar ainda mais os espectadores de séries das novelas. No geral, esses públicos são distintos mas, quando eles se cruzam, vão buscar semelhanças entre os dois formatos. Apesar de atenderem os espectadores de maneira distinta, existem conceitos das séries que as novelas ganhariam muito caso os aplicassem. Não se trata apendas de “ficar mais parecido com uma série”, mas de conhecer o que está dando certo e entender como transformar isso no formato.  

Leia também: Globo banca novos autores e paralisa fuga de público das novelas das 18h e 19h