Tamanho do texto

Polêmicas e com forte repercussão social, novelas escancaram aspectos que ainda são considerados tabus; veja lista com títulos que falaram nesses temas

 Novelas, muitas vezes, são um reflexão do que está acontecendo na realidade e retratam temas que estão em pauta no momento, por isso, não é incomum que determinados enredos e histórias criem polêmica quando exibido. Relembre algumas novelas que falaram de tabus sociais e que quebraram o silêncio na televisão. 

Leia também: Rompendo tabus: veja 15 famosos que apoiam abertamente legalização da maconha

“A Força do Querer”

''A Força do Querer'' irá tratar de transexualidade, um grande tabu dos dias atuais
Mauricio Fidalgo/TV Globo
''A Força do Querer'' irá tratar de transexualidade, um grande tabu dos dias atuais

Escrita por Glória Perez, “A Força do Querer” promete, pelo menos, estimular a reflexão e o pensando sobre a questão da transexualidade , mas, acima de tudo, o seu objetivo é desmistificar os tabus com relação à questão. A estreante Carol Duarte dá vida à Ivana, uma jovem que passará pelo processo de transição e é através do seu olhar que a novela irá retratar as dificuldades, as lutas e as frustrações do cotidiano dos transgêneros, que, ainda, são um enorme tabu na sociedade.

"América"

''America'' tratava do tabu da imigração ilegal para os Esdados Unidos já no ano de 2005
Divulgação
''America'' tratava do tabu da imigração ilegal para os Esdados Unidos já no ano de 2005

Questão delicada e mais atual do que nunca, a novela "América", escrita por Glória Perez, falava sobre a imigração ilegal para os Estados Unidos. No caso, a autora tratou especificamente do caso de uma brasileira, Sol, interpretada por Deborah Secco, que tentava imigrar para lá, mas teve seu visto negado diversas vezes. Assim, ela procura um coite, uma pessoa que é paga para realizar travessias ilegais, para chegar aos Estados Unidos. No caminho, ela é presa por porte de drogas, foge e se casa com um americano por causa de um acordo na expectativa de conseguir um visto para permanecer no país.

“Amor à Vida”

Depois de vários anos de tentativas, ''Amor á Vida'' mostrou o primeiro beijo gay da TV e quebrou um tabu com a cena
Divulgação
Depois de vários anos de tentativas, ''Amor á Vida'' mostrou o primeiro beijo gay da TV e quebrou um tabu com a cena

Demorou, mas em 2014 com “Amor à Vida” a Globo exibiu seu primeiro beijo entre um casal homossexual. A cena protagonizada por Matheus Solano, como Félix, e Thiago Fragoso como Niko, mostrou apenas um beijo gay , mas foi o bastante para causar as mais diversas reações no público – a maioria, contudo, vibrou com a conquista da história exibida no horário nobre. A expectativa para o momento decisivo era grande, uma vez que em outra situações, como em “Torre de Babel”, a rejeição ao casal homossexual havia sido tão acentuada que os personagens foram mortos na trama.

“Barriga de Aluguel”

''Barriga de Aluguel'' foi polêmica por abordar o tabu da inseminação artificial e ética médica
Divulgação
''Barriga de Aluguel'' foi polêmica por abordar o tabu da inseminação artificial e ética médica

A técnica da inseminação artificial era recém-descoberta – e, desde que surgiu, sempre levantou diversas polêmicas e questionamento éticos que, até hoje, permeiam a discussão médica. Visando esse avanço, Glória Perez criou uma história na qual o casal principal não poderia ter filhos de forma natural e como sua última esperança optaram por contratar uma jovem pobre para gerar uma criança com seu material genético. A novela quebrou o tabu da inseminação, além disso, mostrou a batalha judicial pela guarda do bebê e contemplou diversas questões morais sobre a gestação.

Leia também: José Mayer e celebridades envolvidas em casos de assédio ou abuso sexual

“Chamas da Vida”

''Chamas da Vida'', em cenas fortes, falou abertamente do tabu da pedofilia e abuso sexual
Divulgação
''Chamas da Vida'', em cenas fortes, falou abertamente do tabu da pedofilia e abuso sexual

Uma das tramas mais pesadas e que mais chamaram a atenção na novela “Chamas da Vida”, exibida na Record em 2008, foi a questão da pedofilia . O ator André di Mauro encarou o problemático Lipe, um fotógrafo esquizofrênico que havia sido abusado quando criança que assediava adolescentes na internet. Na trama o personagem se envolvia com a jovem Vivi, interpretada por Letícia Colin, por quem desenvolvia uma obsessão doentia. Em certo momento Lipe armou uma emboscada para a menina e, no final da sequência a estupra.

"Duas Caras"

''Duas Caras'' falou, ao mesmo tempo, dos tabus da bissexualidade e do poliamor
Divulgação
''Duas Caras'' falou, ao mesmo tempo, dos tabus da bissexualidade e do poliamor

Em "Duas Caras", uma das histórias paralelas abordou da trama, ao mesmo tempo, as questões da sexualidade e do poliamor. O personagem Bernardinho, vivido por Thiago Mendonça, era um jovem bissexual que havia sofrido diversos abusos e violências durante a vida e que, em determinada altura da narrativa, se apaixonada simultaneamente por uma mulher e um homem, Dália e Carlão. Assim, dividido entre os dois, Bernardinho acaba se relacionando com ambos simultaneamente vivendo um relacionamento compartilhado. 

 “Gabriela”

''Gabriela'' foi pioneira ao tratar do tabu da prostituição em uma novela
Divulgação
''Gabriela'' foi pioneira ao tratar do tabu da prostituição em uma novela

Adaptação do romance do escrito baiano Jorge Amado, “Gabriela”, exibida no ano de 1975, foi a pioneira da televisão a retratar a prostituição e suas condições. Um dos núcleos da história girava em torno do bordel Bataclã, comandado por Maria Machadão, personagem de Eloísa Mafalda. No romance todos os homens da cidade frequentam a casa e, por isso, o ambiente se tornou fundamental para a novela. 

“Laços de Família”

''Laços de Família'' falou dos tabus sobre a leucemia, um tipo de câncer grave
Divulgação
''Laços de Família'' falou dos tabus sobre a leucemia, um tipo de câncer grave

“Laços de Família” seria somente mais um romance de Manoel Carlos se não tocasse em pontos delicados em sua história: a protagonista Camila, vivida pela atriz Carolina Dieckmann, logo após engravidar descobre que está com leucemia. Ela, então, passa a correr risco de morte por precisar urgentemente de um transplante de medula e, no decorrer dos fatos, perde seu bebê. Sua mãe, Helena, interpretada por Vera Fischer, engravida somente para salvar a vida de sua filha – pois a criança gerada por ela seria a única doadora compatível com o corpo de Camila. Além de emocionar, a novela se tornou símbolo da luta contra o câncer e incentivou propagandas de doação de medula.

“O Clone”

De forma realista, ''O Clone'' falou no tabu do uso de drogas e dependência química
Divulgação
De forma realista, ''O Clone'' falou no tabu do uso de drogas e dependência química

Um dos pontos mais fortes da história de “O Clone” era o envolvimento dos personagens com drogas. Mel, vivida por Débora Falabella, é introduzida no mundo das drogas por seus amigos em uma festa e a partir de então passou e se afundar no vício e destruir sua vida aos poucos por causa da dependência química – ela chega a ser presa, apontar uma arma para a própria mãe quando tenta roubar sua casa e, por fim, é internada em uma clínica para tentar se limpar do uso de substâncias que, posteriormente, lhe causariam um aborto espontâneo e colocariam sua vida em risco.

Leia também: 10 vezes em que a teledramaturgia falou sobre estupro e abuso sexual

“Passione”

''Passione'' falou do tabu do aborto e mostrou cena em que a personagem passa pelo procedimento
Divulgação
''Passione'' falou do tabu do aborto e mostrou cena em que a personagem passa pelo procedimento

De uma forma sutil no desenrolar da trama de “Passione”, uma das coisas apresentadas na novela foi um aborto feito em uma clínica clandestina. A personagem Fátima, que ganhou vida pela atriz Bianca Bin, engravidou do namorado que não apoiava a sua gestação e, por isso, recureu a dura decisão de abortar o bebê. Desesperada, ela consegue o endereço de uma pessoa que pode realizar o procedimento – que é feito sem as mínimas condições de higiene e, assim, vai parar na UTI sofrendo as consequências da falta de condições sanitárias em que foi submetida ao aborto.

 “Salve Jorge”

''Salve Jorge'' mostrou o drama do tráfico sexual sofrido por mulheres
Divulgação
''Salve Jorge'' mostrou o drama do tráfico sexual sofrido por mulheres

A prostituição, depois de “Gabriela”, foi tema de diversas peças da teledramaturgia, tanto novelas quanto séries, mas “Salve Jorge” deu um passo além e explorou a problemática do tráfico sexual sofrido, principalmente, por mulheres em condições de vulnerabilidade. A atriz Nanda Costa interpretou Morena, uma jovem que, na tentativa de ganhar dinheiro para ajudar sua família, acaba sendo vítima de tráfico sexual e acaba sendo mantida em cativeiro em outro país, até que, no final, consegue fugir e voltar para o Brasil.

 “Viver a Vida”

''Viver a Vida'' falou do tabu enfrentado por pessoas com deficiência física
Divulgação
''Viver a Vida'' falou do tabu enfrentado por pessoas com deficiência física

As pessoas que deficiências físicas ainda são socialmente invisíveis e “Viver a Vida”, de Manoel Carlos, abriu um espaço para se discutir como é a vida de alguém que perdeu boa parte dos movimentos do corpo. No folhetim a protagonista, vivida por Alinne Moraes, sofre um acidente e fica tetraplégica, porém, mesmo com as dificuldades causadas pela sua condição, ela consegue realizar seu sonho de ser modelo – ainda que em uma cadeira de rodas.

“Xica da Silva”

''Xica da Silva'' foi a primeira novela a romper o tabu do racismo e ter uma protagonista negra
Divulgação
''Xica da Silva'' foi a primeira novela a romper o tabu do racismo e ter uma protagonista negra

Ainda na TV Manchete, em 1996, Taís Araújo quebrou o tabu do racismo e foi a primeira atriz negra a protagonizar um folhetim. A novela tinha a escravidão durante o período colonial do país como foco principal e desnudava os preconceitos e a violência sofrida pelos negros no Brasil em um momento que a extração de pedras preciosas era o grande negócio que sustentava a nação. A produção impressinou e "Xica da Silva" foi exportada para diversos países e foi sucesso internacional de crítica. O papel de Taís Araújo marcou sua carreira e, anos depois, em 2004, ela seria mais uma vez a primeira negra a ser protagonista em uma novela da Globo em “A Cor do Pecado”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.