Tamanho do texto

A sambista foi entrevistada no programa "Ritmo Brasil", da Rede TV!, e além de falar sobre a polêmica das cotas, revelou algumas de suas paixões

No próximo sábado (25), o programa "Ritmo Brasil" , da Rede TV!, fará um especial de carnaval com a presença de Sandra de Sá. Em bate-papo, a consagrada sambista relembrará sua infância e fala sobre seu envolvimento na folia. 

Leia também: Oscar teve mais indicados negros que o Globo de Ouro nos últimos 20 anos

Sandra de Sá participa de especial de carnaval
Divulgação/RedeTV!
Sandra de Sá participa de especial de carnaval


"Desde quando eu era pequena, minha mãe fazia minha fantasia já em julho para o ano seguinte. Quando nasci, a escola Chaprichosos de Pilares tinha seis anos de existência, então a acompanho desde pequena. Ia pela calçada fantasiada, achando que estava desfilando e só depois que fui entender que meus pais me enganavam, pois eu não estava desfilando pela escola, eu estava desfilando com a escola'', conta Sandra de Sá .

Leia também: “La La Land” é mesmo racista e machista ou o mundo está muito chato?

O carnaval não é a única paixão da sambista, que é fanática pelo Flamengo. "Tenho paixão mesmo, de ir aos jogos no Maracanã, no clube, torcer, sacanear muito (quando o time ganha). Faço tudo com o meião, pois me da sorte'', afirma.  Ainda sobre paixões, ela falou sobre quase ter se formado em psicologia, isso só não aconteceu porque ela largou a faculdade por conta da música com insentivo de Fafy Siqueira. ''Fafy começou a me escrever nos festivais sem eu saber. Muitas vezes eu falava que não ia porque tinha prova, ela falava para eu ir estudando no caminho e acabava que eu ia. Ganhamos vários festivais assim".

Sandra de Sá
Divugação
Sandra de Sá


Racismo

Leia também: Juliana Alves desabafa após sofrer ataques racistas nas redes sociais

Recentemente, Sandra de Sá se envolveu em polêmica ao falar de racismo, o que não a impediu de falar sobre o assunto novamente. " Pior que o preconceito e o racismo, é o complexo, pois o complexo alimenta tudo isso, ainda mais quando a gente compra essa ideia. Para mim não rola cotas, mas é um mal necessário, pois depois que se falou disso, falou em muitas coisas que não estavam aí. Acho que um negro tem que passar (na faculdade) como todo mundo passa, porque ele tem capacidade, mas é necessário a cota", finaliza.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas