Tamanho do texto

Serginho Groisman relembra 1999, quando trocou o SBT pela Globo. "Foi difícil largar o 'Programa Livre' e vir sem saber o que ia acontecer"

Serginho Groisman está contente com o  resultado do "Altas Horas" em 2016. O apresentador, que comanda a atração há 16 anos, fala do conteúdo do programa após a mudança de horário, em 2013 (passando a ir ao ar após o "Zorra" e não mais depois do "Supercine"), explica os rumores de que teria um programa diário quando se mudou do SBT para a Globo e revela o que pretende em 2017.

Leia mais: "Altas Horas" de Natal reúne cantores de vários ritmos, orquestras e surpresas

Serginho Groisman comanda o 'Altas Horas' há 16 anos
Divulgação/Globo
Serginho Groisman comanda o 'Altas Horas' há 16 anos


"Esse ano colocamos assuntos que 'saem' da plateia, pessoas que a gente convida e contam algum problema que pode ser Aids, discriminação, assédio, violência, anorexia... a ideia é mostrar que grandes ou pequenos problemas podem estar do seu lado. Isso vamos manter em 2017, além de algumas coisas que são a cara do programa", conta Serginho Groisman.

Leia mais: Sucesso no "Altas Horas", Marco Luque sobre o fenômeno do "serumaninho"

Mas quem pensa que o programa ficará igual se engana. Deixamos todos os programas de janeiro gravados, voltamos a gravar dia 9 de fevereiro. Tem novidades que vamos lançar no fim de janeiro, ligadas à tecnologia e interação, porque hoje é cada vez mais fácil as pessoas contarem histórias e nos mandar. Quero trabalhar também com coisas que acontecem dentro da escola em um quadro que se chama 'Contraste', pegando uma história que aconteça em uma escola pública e em outra privada, por exemplo", adianta.

Leia mais: Sexóloga do "Altas Horas"  recebe enxurrada de nudes e cancela inbox

Troca de horário

Caetano Veloso e Gilberto Gil cantando no 'Altas Horas'
Reinaldo Marques/Globo
Caetano Veloso e Gilberto Gil cantando no 'Altas Horas'

Com a antecipação da 1h para às 23h, a concorrência passou a ser maior - se na década de 2000 só tinha o "Cine Privè", da Band, como "concorrência", agora Serginho enfrenta o "Legendários", de Marcos Mion, e o "Sabadão com Celso Portiolli". "Tem tantos programas de auditório no horário que começamos a trazer atrações que não estavam nesses programas, como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paulinho da Viola, Sepultura, Skank , Ney Matogrosso, Gal Costa , cantores que não tem tanto espaço na televisão. Era um risco não ficar só com os populares, e o que aconteceu é que estamos muito bem de audiência, muito distantes dos outros. A ideia é continuar com esse diferencial", promete. 

Programa diário?

Serginho está desde 1999 na Globo
Cesar Alves/Globo
Serginho está desde 1999 na Globo

O apresentador trocou o SBT (onde fazia sucesso com o "Programa Livre") pela Globo em 1999 sem saber ao certo o que faria na emissora nova. "Foi uma decisão difícil largar o programa diário que eu tinha e vir pra cá para ver o que ia acontecer. Quando eu fui contratado, não prometeram nada, nunca se discutiu um programa diário para mim. Havia uma possibilidade logo que eu vim, há 17 anos, mas teria só 30 minutos, seria às 17h, antes da 'Malhação' e concluímos 'não dá, vamos ver outra coisa'", recorda, ao ser questionado sobre o assunto pelo iG .

Logo encontrou sua função na emissora. "Estreei primeiro o 'Ação', que era pra ficar 6 meses no ar e ficou 12 anos, aos sábados de manhã. Pensei então na madrugada e  apareceu o 'Altas Horas', que temos há 16 anos. No começo, queria que o programa fosse ao vivo com 4 horas de duração, mas isso seria uma loucura, as pessoas dormiriam ao vivo aqui (risos)".

Projetos

Serginho Groisman pensa em ter um talk show em breve. "Tenho um projeto de um programa de entrevistas, ele está andando um pouco, existe como ideia e vou apresentar, mas não posso falar. Não é para a Globo nem para canal aberto", faz mistério.