Tamanho do texto

O cineasta Terry Gilliam fez uma piada controversa sobre querer ser uma mulher lésbica e negra por causa da culpa que o homem branco carrega

Durante o Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary em que ocorria a exibição de “O Homem que Matou Dom Quixote", o cineasta Terry Gilliam fez uma piada que gerou controvérsias. No discurso em questão, expôs uma vontade irônica de mudar o próprio gênero, a cor e a sexualidade. Isso porque, segundo ele, "homens brancos são culpados por tudo de errado no mundo".

Leia também: Exibição de filme Terry Gilliam em Cannes vira caso de Justiça

Cineasta Terry Gilliam diz não querer mais ser um homem branco
Divulgação
Cineasta Terry Gilliam diz não querer mais ser um homem branco

Os comentários vieram à tona por causa de um discurso feito no mês passado pelo ex-chefe de comédia da BBC, Shane Allen. Na ocasião, Shane teria dito que a trupe de comédia Monty Python de Terry não seria aceita no contexto em que vivemos atualmente,  tendo em vista que os membros integrantes são “brancos demais”. Questionado a respeito do comentário de Shane, o cineasta corrigiu e defendeu a diversidade existente em Monty Python desde o princípio.

Leia também: Terry Jones, ator de Monty Python, é diagnosticado com demência

Foi então que el fez a piada sobre não querer mais ser um homem branco. “Eu não sou mais um homem branco, sou lésbica negra”, declarou Gilliam em tom de brincadeira. “Mas, sério. É muito louco. Na BBC, é verdade que todo pequeno grupo de pessoas neste planeta deve ser representado em tudo o que eles transmitem. Na verdade, nós encontramos a diversidade, dos seis membros do Monty Python, um era gay e um americano. Só mais tarde aceitei a cidadania britânica, felizmente antes do Brexit”, dissertou.

Segundo o cineasta, os comentários feitos pelo ex-chefe da BBC quase o fizeram chorar, e disse que os homens brancos carregam a culpa pelos problemas que existem no mundo: "Isso é besteira. E eu tenho que dizer: eu não quero mais ser branco, um homem branco, eu não quero ser culpado por tudo de errado no mundo. Eu agora digo ao mundo que sou lésbica negra”.

Leia também: China ultrapassa Estados Unidos no mercado cinematográfico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.