Tamanho do texto

As palavras do sacerdote, que foi acusado de intolerância religiosa, foram vistas como uma forma desrespeitosa com as religiões de origem africana

O padre Fábio de Melo, um dos sacerdotes mais aclamados do Brasil perante a Igreja Católica , afirmou em uma cerimônia religiosa que comeria uma “macumba” se deixassem em sua casa. "Com todo respeito a quem faz macumba, pode fazer, pode deixar na porta da minha casa que, se estiver fresco, a gente come”.

Leia também:Padre Fábio de Melo fala sobre síndrome do pânico: “pensei em morrer"

Padre Fábio de Melo  diz que
Reprodução/Youtube
Padre Fábio de Melo diz que "comeria macumba" e gera polêmica

As palavras do padre Fábio de Melo  na celebração que aconteceu no dia 8 de abril na comunidade católica Canção Nova, em Cachoeira Paulista, foram gravadas e disponibilizadas no canal da Canção Nova no YouTube, causando grande repercussão e polêmica .

Leia também: Após polêmica sobre sexo oral, DJ Khaled é criticado por celebridades

As imagens, que foram vistas como uma forma desrespeitosa com as religiões de origem africana, geraram comentários críticos acusando o padre de intolerância religiosa.

Nota do padre Fábio de Melo

Padre Fábio de Melo  diz que
Reprodução/Youtube
Padre Fábio de Melo diz que "comeria macumba" e gera polêmica

Em um comunicado exposto em sua conta oficial no Twitter nessa quinta-feira (10), o sacerdote pediu perdão e afirmou que não teve intenção de causar nenhum tipo de polêmica e que sempre manifestou sua opinião a respeito de outras religiões.

“Sempre manifestei publicamente o meu respeito a todas as religiões. O candomblé fez parte da minha origem. Nunca quis ofender ou desmerecer quem quer que seja. Apenas expressei, durante uma celebração cristã, convicções cristãs. Peço perdão aos que se sentiram ofendidos.”

Leia também: Felipe Neto polemiza ao criticar Youtube por permitir clipe de Childish Gambino

“Eu não sou proprietário da verdade. Eu estou em busca dela. Quero o esclarecimento espiritual que me coloque ao lado de todos. Diferentes e iguais a mim. Somos irmãos e não me sinto melhor que ninguém. Se fui infeliz na forma como expressei o meu não crer, perdoem-me.”

“Já fiz um contato com o babalorixá Ivanir dos Santos. Ele foi extremamente gentil comigo. Nosso desejo é esclarecer que tolerância religiosa não significa abrir mão do que cremos ou não cremos, mas conviver harmoniosamente, colaborando na construção de um mundo melhor. O mundo já está dividido demais para que criemos outras divisões a partir de nós”, concluiu o padre Fábio de Melo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.