Tamanho do texto

Segundo o "TMZ", além de Jennifer Holliday, outros cantores estão em dúvida em participar da cerimônia que torna Donald Trump presidente

O comitê de Donald Trump está tendo dificuldades para encontrar cantores dispostos a participar da cerimônia de posse do novo presidente dos EUA, segundo o site "TMZ". Jennifer Holliday já cancelou sua participação na festa, marcada para a próxima sexta-feira (20).

Leia mais: Posse de Trump deve ter protesto com 'maconhaço' e apoio de motoqueiros

 Donald Trump vira oficialmente presidente dos EUA na quinta-feira (20)
Divulgação
Donald Trump vira oficialmente presidente dos EUA na quinta-feira (20)


Segundo fontes da publicação, vários cantores gostariam de se apresentar na posse de Donald Trump , mas estão consultando os fãs para saber como será a receptividade para só então dar a resposta. Quando o feedback é negativo, eles negam o convite, mesmo que sua visão política seja parecida com a do novo presidente.

Leia mais: Miss Bumbum faz tatuagem de Donald Trump para pedir paz

Há também pressão das gravadoras para que os cantores não aceitem e até proibição de cantar em outros eventos oficiais que envolvam Trump. Milhares de manifestantes contrários e favoráveis ao presidente-eleito dos Estados Unidos devem ocupar as ruas da capital americana para acompanhar a cerimônia.

Leia mais:  Alec Baldwin declara guerra fria a Donald Trump

Estão previstos grupos de motoqueiros, que pretendem demonstrar apoio ao novo presidente e protestos pelos direitos dos imigrantes, contra guerra, racismo e violência policial. Os ativistas em defesa da maconha planejam ainda distribuir 4,2 mil baseados durante o discurso de Trump.

No dia seguinte, a Marcha das Mulheres pretende reunir até 200 mil pessoas em Washington. As organizadoras afirmam que não é um "protesto anti-Trump", e sim uma demonstração em defesa dos direitos das mulheres, justiça social e direitos humanos.O objetivo, dizem, é enviar uma mensagem forte já no primeiro dia do novo governo "de que os direitos das mulheres são direitos humanos".

No Brasil

Por aqui, quem encontrou uma forma inusitada de protestar foi a Miss Bumbum 2016 Érika Canela, que tatuou o recém-eleito no corpo . "Talvez se o Trump souber que eu, mulher negra e latina, tenho seu rosto tatuado do meu corpo, ele possa pensar duas vezes sobre a forma como nos enxerga e mostre mais afeto”, disse ao jornal inglês The Sun  . “É um pedido de paz”, garante.

    Leia tudo sobre: Donald Trump