A epidemia do coronavírus pegou muitos artistas de surpresa e o mundo do entretenimento será bastante afetado pela quarentena. A primeira providência dos governantes foi proibir qualquer tipo de aglomeração, o que significou o adiamento de shows e fechamento de boates e casas de espetáculo. Mesmo assim, Gusttavo Lima fará de tudo para manter os funcionários de sua empresa e seus salários.

Leia tambem: Produtora da Record demite funcionários devido crise do novo coronavírus

Gusttavo Lima reclama da concorrência arrow-options
Reprodução
Gusttavo Lima reclama da concorrência


A partir do início de março, a agenda dos artistas brasileiros foram suspensas. A expectativa é que a situação se normalize daqui a, pelo menos, três meses. Gusttavo , que admistra sua própria carreira através da Balada Eventos , disse que é hora de agir como ser humano e que não vai prejudicar nenhum funcionário seu. 

Leia também: Roberto Justus se defende após áudio vazado: "Estou tentando minimizar o pânico"

"É hora de agirmos como ser humanos. Não vou deixar meus funcionários na mão. Não vou demitir ninguém, nem reduzir o salário de nenhum funcionário. Eu tenho cerca de 50 pessoas que viajam comigo e outras 50 nas minhas empresas, e tudo permanecerá igual", disse à coluna de Leo Dias.

Leia também: Eduardo Costa doará R$ 2,5 milhões para o combate do coronavírus

Mesmo assim, ele ainda não tem noção do prejuízo que toda essa crise vai causar. Por isso, ele está convocando para a próxima quinta-feira (26) empresários de música sertaneja para uma reunião em que discutirão como agir durante a quarentena. 

Recentemente, Michel Teló também falou sobre o assunto. "Somente na estrada comigo são cerca de 30 pessoas. E, tem uma galera grande, que mesmo com os shows cancelados, a gente decidiu continuar pagando os músicos e funcionários. A gente entende que é um momento que todo mundo precisa se ajudar. Vamos tentar manter esse pessoal, no momento que nenhuma receita acontece, como se estivéssemos fazendo shows. Ninguém sabe para onde vai essa situação. A nossa geração nunca viveu nada igual. O mundo paralisado", disse ao jornal Extra .

Para Pedro Mota, empresário dos sertanejos Mano Walter e César Menotti e Fabiano, o momento é propício para pensar em novos projetos. "Não sabíamos como agir, todos nós ficamos paralisados. Agora estamos entendendo o tamanho do prejuízo, mas é hora de produzir novas composições. A partir do dia 1 de abril, meus artistas estarão a mil produzindo música nova, então, muita coisa boa vai vir por aí", disse à coluna de Leo Dias.

    Leia tudo sobre: músicas

    Veja Também

      Mostrar mais