Tamanho do texto

Cineasta brasileiro, que começou sua carreira fazendo documentários, acabou sendo vítima de um câncer de pulmão aos 61 anos de idade

Morreu nesta quinta-feira (12), em São Paulo, aos 61 anos, após lutar contra um câncer no pulmão, o cineasta carioca Chico Teixeira. Diretor dos elogiados longa-metragens " A casa de Alice " (2007) e " Ausência " (2014), ele deixa mais um longa, " Dolores ", filmado durante o seu tratamento e que deve ser terminado no no que vem.

Leia também: Integrante do Roxette morre, aos 61 anos, de câncer

Chico Teixeira arrow-options
Reprodução/Instagram/@primeboxbraziloficial
Chico Teixeira dirigiu filmes como "A Cada de Alice" e "Ausência"


Economista pós-graduado, Chico Teixeira atuou na área por alguns anos até ir trabalhar no programa de entrevistas "Conexão Nacional", da Rede Manchete de Televisão. Seu primeiro documentário, "Favelas" (1989), foi premiado no Brasil e em Portugal, no Festival Internacional do Algarve.

Leia também: Ator de "Éramos Seis" morre de infarto fulminante

Em 91, ele fez "Velhice", que foi exibido em festivais nos Estados Unidos, Japão e Alemanha. Seu terceiro documentário, o curta "Criaturas que nasciam em segredo" (1995, sobre o cotidiano de cinco anões), ganhou 21 prêmios no Brasil, incluindo o prêmio de melhor curta-metragem e melhor diretor no Festival de Gramado, e três prêmios internacionais: na Espanha Festival de Huesca, no Chile e em Portugal.

Estrelado pela atriz Carla Ribas , "A casa de Alice", primeiro londa de ficção de Chico Teixeira mostra a vida de uma manicure com sua família na periferia de São Paulo. Exibido na sessão não-competitiva Panorama do Festival de Berlim, ele foi elogiado em uma crítica do jornal alemão "Tagesspiegel". Na opinião da crítica Daniela Saanwald, era a observação dos detalhes, do que não é encenado, que fazia de "A casa de Alice" uma "pequena descoberta do festival".

Leia também: Fiel escudeiro de Jorge Fernando morre um mês após a partida do diretor

Em 2015, Chico Teixeira ganhou o grande prêmio do Festival Cinelatino de Toulouse pelo filme "Ausência", calcado na vida do adolescente Serginho ( Matheus Fagundes ), que assume o papel de homem da casa, cuidando de sua mãe e de seu irmão mais novo, depois que o pai abandonou a família. O filme rendeu a Chico, ainda, quatro prêmios Kikito no Festival de Gramado, incluindo o de melhor filme.