Tamanho do texto

Nova série em HQ tem nação soberana para mutantes e o Brasil se opõe a essa soberania no âmbito político. Leia abaixo para saber mais detalhes

Em uma nova série de quadrinhos dos X-Men, o Brasil aparece como um dos países que rejeitaram ter relações diplomáticas com os mutantes. Em "House of X", escrita por Jonathan Hickman, uma nação soberana para pessoas com superpoderes é criada: a ilha de Krakoa. No entanto, nem todos os outros países aceitam o fato — um deles é o Brasil.

Leia também: "X-Men" chega à Disney com franquia desgastada, mas boas potencialidades

House of X arrow-options
Divulgação/Marvel
House of X é a nova série de X-men

O assunto é abordado no quinto número da nova série, recém-lançado nos Estados Unidos. Uma das páginas da publicação traz a lista de nações que rejeitaram ter relações diplomáticas com o país mutante. No caso do Brasil, no campo do motivo alegado para a decisão consta apenas "política". Na história, esses países são considerados adversários:

"Mais de cem nações aceitaram o acordo comercial com Krakoa. E, enquanto as negociações continuam com o resto das nações do mundo, algumas rejeitaram a abertura de Krakoa. As nações que rejeitaram o tratado comercial são consideradas adversárias naturais".

Leia também: Narrativamente econômico, “Logan” empurra filmes de heróis para o futuro

Ao todo, a lista conta com 14 países de cinco continentes, Ásia, Europa, África, América do Sul e Central. Alguns dos listados são o Irã, Coréia do Norte, Rússia e Venezuela. Esses dois últimos também são apontados por não concordarem com Krakoa no âmbito político. Já com os estados asiáticos, as divergências são ideológicas.

X-men arrow-options
Reprodução
Lista das nações que rejeitaram ter relações comerciais com Krakoa, em "House of X"