Tamanho do texto

De acordo com portal, o cantor do iKON negociava compra de maconha e LSD na época, o que na Coreia do Sul pode levar até até 4 anos de prisão

Kim Hanbin, mais conhecido como B.I, líder do iKON, informou que está deixando o grupo coreano depois de admitir que tentou comprar drogas ilegais em 2016. De acordo com o portal coreano Dispach , ele negociava compra de maconha e LSD na ocasião.

Leia também: Acampados há três meses, fãs de K-pop lotam estádio para assistir ao show do BTS

Hanbin
Reprodução/Instagram
Hanbin deixou o iKON


"Oi, aqui é o Kim Hanbin . Primeiramente, peço desculpas pelo inconveniente causado por minhas ações inadequadas. É verdade que uma vez quis confiar em coisas tão pesadas que eu nem deveria ter interesse. Mas eu também estava com medo. No entanto, eu estou envergonhado e sinto muito por todos vocês e os membros que estão muito desapontados e magoados por causa do meu ato errado", disse ele em nota divulgada na web.

Leia também: BTS cita "juntos e shallow now" durante show em São Paulo

"Quero deixar minha equipe e refletir humildemente sobre meus erros. Peço desculpas mais uma vez por sua sincera simpatia aos seus fãs e membros. Desculpa", completou ele.

A YG Entertainment, empresa que administra o grupo, confirmou que o cantor está deixando o  iKON . "Levamos a questão muito a sério e decidimos que ele deixará a banda. Terminaremos o contrato dele", disse a empresa em comunicado.

Leia também: BTS se torna primeiro grupo a liderar ranking da Billboard por cinco semanas

Além de Hanbin , o  grupo coreano é formado, desde 2015, por Jinhwan, Yunhyeong, Bobby, Donghyuk, Junhoe e Chanwoo.