Tamanho do texto

Gigante da tecnologia assume transição para o entretenimento e demonstra contar com o apoio de grande parte de Hollywood contra domínio da Netflix

Criticada pela falta de inovação nos últimos eventos e com a iPhone já devidamente franqueado e não mais na ponta no mercado de smartphones, a Apple já sinalizava uma abertura maior para o entretenimento e oficializou essa tendência no evento realizado no Teatro Steve Jobs na sede da empresa em Cupertino, na Califórnia.

Steven Spielberg durante apresentação da Apple
Reprodução/Youtube
Steven Spielberg durante apresentação da Apple

Foram anunciados um aplicativo que congrega revistas e jornais, o Arcade, uma plataforma para games, um redesenhado aplicativo que congregará diversos canais como STARZ, HBO, CBS All Access, ShowTime, Amazon Prime Video, Hulu, entre outros e o Apple TV Plus, com conteúdo original da empresa.

No momento que se assume como produtora de conteúdo, a empresa chefiada por Tim Cook desde a morte de Steven Jobs contou com o apoio maciço e indiscriminado da nata de Hollywood. Steven Spielberg , Jennifer Aniston, Reese Witherspoon, Oprah Winfrey, Jason Momoa, Damien Chazelle, J.J Abrams e M. Night Shyamalan foram alguns dos talentos no vídeo e no palco durante a apresentação.

J.J Abrams é um dos talentos trabalhando com a Apple
J.J Abrams
J.J Abrams é um dos talentos trabalhando com a Apple

A presença de Steven Spielberg em particular sinaliza o apoio de Hollywood à plataforma, que será disponibilizada em computadores da marca e em SmartTVs em mais de 100 países no segundo semestre do ano.  O cineasta, para quem não s elembra, é forte opositor ao fato dos filmes da Netflix serem elegíveis ao Oscar.

Isso, junto ao fato da do app de TV contar com a Netflix nem com a Disney é um sinal claro da equivalência de forças neste momento em Hollywood e também de como a empresa está disposta a atuar nesse campo de batalha.

Além do mais, ao incluir além de seu conteúdo original, um aplicativo que agrega outras plataformas de streaming a empresa se prepara para lidar com o inevitável boom nesse mercado com alguma vantagem.

Conteúdo original da Apple

Cena de See, uma das séries originais do Apple TV Plus
Reprodução
Cena de See, uma das séries originais do Apple TV Plus

Foram mais de 30 produções anunciadas nesta segunda-feira. Algumas são apenas ideias, outras estão com o desenvolvimento bastante avançado. Oprah Winfrey, por exemplo, que tem um canal e uma produtora, vai desenvolver duas séries documentais para o streaming. uma sobre assédio e outra sobre doenças mentais. Além de criar um clube de leitura cujos detalhes ainda serão melhor detalhados. 

Recentemente a empresa fechou um contrato com a A24, produtora pequena responsável por filmes aclamados como "Lady Bird" e "Moonlight", o que sinaliza a vontade de investir em conteúdo para cinema também, sem descuidar do streaming. 

A ramificação importa porque a Apple atestou nesta segunda-feira que as gigantes da tecnologia devem procurar atuar com alguma margem de segurança também no entretenimento, já que há uma base de clientes consumidora em potencial. Facebook e Google também se movimentam nesse sentido. Mas o que se viu na Califórnia foi uma ação muitíssimo bem coordenada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.