Tamanho do texto

Terceiro filme da trilogia de M. Night Shyamalan que revisa as HQs com heróis e vilões em um mundo realista e despreparado para eles é um triunfo da imaginação de um realizador singular. Leia a crítica completa do iG Gente

“Vidro” é o capítulo final de uma trilogia iniciada em 2000 e que durante muito tempo parecia que não teria desfecho. M. Night Shyamalan foi do Olimpo hollywoodiano ao inferno em três filmes e a ideia de retomar a história de David Dunn (Bruce Willis) e Elijah Price (Samuel L. Jackson) parecia destinada ao anedotário de Hollywood.

Leia também: Shyamalan mostra para fãs da Marvel outro tipo de herói com "Vidro" na CCXP 2018

Samuel L. Jackson como Mr. Glass em Vidro, que estreia nesta quinta-feira (17) nos cinemas brasileiros
Divulgação
Samuel L. Jackson como Mr. Glass em Vidro, que estreia nesta quinta-feira (17) nos cinemas brasileiros

Eis quando menos se esperava do engenho e capacidade de surpreender do cineasta, o indiano coloca uma cena no fim de “Fragmentado” que não apenas ressignifica todo o filme como pavimenta o caminho para uma inusitada terceira parte. “Vidro” é, portanto, tanto uma vitória pessoal como profissional de Shyamalan.

O cineasta obrigou dois estúdios detentores de propriedades intelectuais distintas (Universal e Buena Vista) a colaborarem no terceiro filme e se manteve como um dos poucos diretores em atividade em Hollywood a manter pleno controle sobre o corte final e o filme que chega aos cinemas não é um filme de estúdio. É um filme de Shyamalan. De cabo a rabo.

Leia também: “Fragmentado” atende demanda por “filmes sombrios”, diz M. Night Shyamalan

Cena de Vidro: os vilões juntam forças
Divulgação
Cena de Vidro: os vilões juntam forças

Há a indefectível auto adulação que lhe é característica. O cineasta sabe que foi um dos primeiros a apostar no apelo dos heróis no cinema – “Corpo Fechado” foi feito antes do primeiro “X-Men” ser lançado – e não deixa que ninguém se esqueça disso. A metalinguagem é um instrumento narrativo presente no longa, bem como as dissertações a respeito do gênero que é o principal ganha-pão de Hollywood. Nesse sentido, a própria resolução do filme, o exacerbamento do anticlímax, pode ser lida como um comentário a respeito da visão do indiano tão contestada no alvorecer do século. “Vidro” é o dossiê de Shyamalan para expor Hollywood.

Nesse raciocínio, o cineasta é o Mr. Glass , personagem de Samuel L. Jackson que tem uma mente privilegiada em uma inglória compensação pela fragilidade de seus ossos. Elijah assume a identidade de Mr. Glass quando enxerga em Kevin (James McAvoy) e na Fera, uma de suas 23 personalidades, a confirmação de sua teoria de que há heróis e vilões no mundo.

Em busca do Eu

Bruce Willis como David Dunn em cena de Vidro
Divulgação
Bruce Willis como David Dunn em cena de Vidro

David Dunn trabalha com equipamentos de segurança, mas dá sequência ao que entende ser sua missão na Terra: o vigilantismo. Ele conta com o apoio de seu filho Joseph, vivido pelo mesmo Spencer Trat Clark de “Corpo Fechado” e é durante um enfrentamento com Kevin, que continua sequestrando adolescentes impuras, que Dunn vai parar em um hospital psiquiátrico. O mesmo que abriga Elijah. Lá, ele, Kevin e Elijah são tratados pela doutora Ellie Staple, especialista em pessoas cujos transtornos as fazem crer que são super-humanas.

O filme caminha nos limites da interpretação e provê elementos tanto para aqueles que querem crer que os três são meta-humanos, como para aqueles que sentem a necessidade de se abrigar no guarda-chuva das explicações científicas. Isso até os minutos finais do longa, quando Shyamalan dá de ombros para as fórmulas do cinema de gênero e com uma coragem que apenas um realizador tão singular e, por que não arrogante, como ele poderia ensejar.

No limiar, “Vidro” é um filme sobre três homens tentando se entender e entender seu espaço no mundo, como o eram, de certa forma, os filmes que vieram antes, mas é também uma análise muitíssimo bem adensada de um gênero, de uma linguagem e de um conceito.

M. Night Shyamalan orienta Bruce Willis e James McAvoy nos bastidores de Vidro
Divulgação
M. Night Shyamalan orienta Bruce Willis e James McAvoy nos bastidores de Vidro

Isso tudo sem deixar os personagens de lado. Se os três protagonistas têm seus para-raios, e apenas a figura de Anya Taylor-Joy é inserida a fórceps no contexto dramático, ainda que sua funcionalidade narrativa seja verificada pelo roteiro e pela química da atriz com McAvoy, a arquitetura narrativa de Shyamalan permite que todos tenham relevo e momentos de redenção. O carinho do diretor com esse universo que ele criou é perceptível.

Leia também: Perturbador e cheio de clima, "Fragmentado" é novo acerto do cineasta de "O Sexo Sentido"

“Vidro” é um filme divisivo. Ele age contra expectativas, abraça e repele fórmulas com uma velocidade incomum e congrega todas as virtudes, mas também os vícios, de um cineasta tão polarizante como Shyamalan. É filmado como um filme de terror e se resolve como um thiller conspiratório. É, em certa medida, uma masterclass de cinema. Ou o último capítulo de uma.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.