Tamanho do texto

Novo filme do diretor de "Para Poucos" tem humor francês, personagens esquisitos e ideias pouco ventiladas em comédias românticas; leia a crítica

Terceiro longa-metragem de Antony Cordier , "A Excêntrica Família de Gaspard" guarda alguma semelhança com seus dois longas anteriores, "À Flor da Pele" (2005) e "Para Poucos" (2010), já que se debruça maiormente sobre impulsos sexuais e o choque entre nossos aspectos mais primitivos e as convenções sociais no tocante as relações amorosas, mas se distingue dos outros por acomadar-se na esfera das comédias românticas.

Cena de A Excêntrica Família de Gaspard
Divulgação
Cena de A Excêntrica Família de Gaspard

Gaspard (Félix Moati) é um jovem de 25 anos que, depois de ficar afastado por anos, se reencontra com a família para a ocasião do novo casamento de seu pai. A caminho da casa, Gaspard conhece a jovem aventureira Laura (Laetitia Dosch) e a contrata para acompanhá-lo como sua namorada. A iniciativa soa estranha para o público e estranheza é um dos mais insaciáveis predicados de "A Excêntrica Família de Gaspard" .

Cena de A Excêntrica Família de Gaspard, que estreia neste final de semana no País
Divulgação
Cena de A Excêntrica Família de Gaspard, que estreia neste final de semana no País

A família controla um zoológico e a relação de Gaspard com sua irmã Coline (Christa Théret), que frequentemente age como um urso (!), logo desponta como inortodoxa. Há um desejo latente dela por ele e o espectador não se furta a imaginar se essa não seria a razão do afastamento dele da família. 

O viés mulherengo do pai, que dorme com ex-namoradas e "acasala" com outra mulher às vésperas do próprio casamento ganham relevo nesse inusitado painel que é apresentado ao público. Assim como o razoável grau de tolerância vigente com as circunstâncias percebidas como anormais de Coline. O irmão mais velho de Gaspard namora uma tatuadora vegetariana que se ressente dele ter um zoológico e Laura suspeita que Gaspard seja gay e precise enganar sua família contratando uma falsa namorada.

Elevando os sentidos

Cena de A Excêntrica Família de Gaspard, já em cartaz nos cinemas
Divulgação
Cena de A Excêntrica Família de Gaspard, já em cartaz nos cinemas

Toda essa construção remete a um comentário, por vezes desarticulado, sobre como nossas convenções sociais e civilizatórias podem atentar contra nossa própria natureza e gerar conflitos, íntimos ou familiares, capazes de reverberar por anos e até mesmo nos anular. 

Cordier tem boa mão para cenas sensuais e já havia provado isso em seus filmes anteriores. Aqui elas surgem envoltas em esquisitices, mas funcionam dentro do contexto sugerido. Especial atenção se faz recomendável à maneira como o cheiro e a sexualização inerente a ele se dá no filme. A atração e o desejo irrefreável são elementos bem traduzidos por essa vertente animalesca do sexo.

"A Excêntrica Família de Gaspard" é uma comédia romântica, e o humor é bem francês, que se pretende fluída, incomum e cuja excentricidade ecoa no público, ainda que as ideias defendidas pelo cineasta se percam na esquisitice do todo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.