Tamanho do texto

Com nomes como Julia Konrad, Gabriel Godoy e Duda Nagle no elenco, série chega a sua segunda temporada no Canal Sony nesta segunda-feira (23)

“Se existe alma gêmea, onde será que eu encontro a minha?” Foi com isso em mente que Rodrigo Bernardo desenvolveu a segunda temporada da série “(Des)encontros”, que estreia na Sony nesta segunda-feira (23). A resposta, de acordo com os primeiros episódios que serão exibidos é: no aeroporto, em Buenos Aires ou em Cuiabá.

Amanda (Julia Konrad) e Diego (Juan Sorini) estrelam o segundo episódio de
Divulgação
Amanda (Julia Konrad) e Diego (Juan Sorini) estrelam o segundo episódio de "(Des)encontros", que estria na segunda (23)

Em um encontro com a imprensa na última semana, Rodrigo, que escreve, dirige e produz a série , comentou que o conceito de “(Des)encontros” partiu dessa busca pelo amor . Às vezes é preciso ir muito longe para encontrar o amor, às vezes ele está na nossa cara. Às vezes nos fechamos tanto no trabalho que esquecemos de procurar, ou às vezes precisamos reaprender a amar”, explica.

Leia também: 1ª série nacional a focar no empoderamento, "O Negócio" volta para último ato

É seguindo esse conceito que a produção apresenta uma trama diferente a cada episódio. Com tons lúdicos e cômicos, Rodrigo criou histórias distintas, mas que conseguem criar uma identificação imediata com o público. “É um assunto universal”, comenta o autor, que teve quatro anos desde a primeira temporada para preparar a nova leva de episódios.

Encontros

Gus (Duda Nagle) é o típico
Divulgação
Gus (Duda Nagle) é o típico "ex-namorado babaca" e faz o contraponto da busca por amor que a série propõe

Cada episódio, com cerca de 40 minutos, abusa de diversos estilos narrativos, mas consegue de alguma maneira encaixá-los bem. A narração e os depoimentos em off se complementam, e o toque de fantasia em pequenas doses dão a leveza que as histórias contadas merecem.

No episódio que se passa em Buenos Aires, por exemplo, Amanda (Julia Konrad) se transforma em um zumbi, consumida por todos os relacionamentos passados que deram errado. “A Amanda, coitada, está machucadíssima, virou zumbi de tantos machucados e está desacreditada como tanta gente é hoje em dia”, comenta a atriz.

Julia, que gravou em São Paulo e em Buenos Aires, comentou sobre como se conectou com a personagem: “Eu acho que o ponto de conexão com a série é fácil porque é uma coisa que todo mundo já viveu. É muito fácil você entrar nesse universo”, complementa.

Amanda viaja com a amiga para Buenos Aires a trabalho e, no último dia na cidade acaba conhecendo Diego (Juan Sorini) e os dois se relacionam pela música: ela pop, ele tango. Os dois tem que driblar a distância entre a cidade argentina e São Paulo para fazer a relação dar certo. “Tem uma frase que outra personagem diz no episodio que é ‘a pessoa pode estar ali do seu lado, mas está a quilômetros de distância’ e isso resume muito bem esse tipo de relação”, comenta a atriz.

Leia também: Calendário de séries nacionais tem novidades na Netflix, HBO, TNT e Globo

Já no primeiro episódio Tom (João Gabriel Vasconcellos) e Elisa (Chris Ubach) vivem conflitos bem distintos. Ele só pensa em trabalho, ela usa o ofício para evitar sua relação com Gus (Duda Nagle) que parece estar desmoronando. De uma troca de olhares do aeroporto a uma série de desencontros, os dois passam por uma curta saga até conseguirem trocar as primeiras palavras um com o outro.                                                                                                                                                 

O contraponto

Enquanto os encontros de amor permeiam a história, Duda Nagle e seu Gus surgem como o contraponto: a pessoa tão centrada em si mesma que é incapaz de valorizar o outro, ou se dedicar a relação. “Ele mostra como não se deve fazer”, comenta Duda. O personagem deve aparecer em mais alguns episódios, como o exemplo de “cara a ser evitado”. “Ele é o típico ex-babaca”, explica o ator. “Só pensa nele mesmo e olha para o outro na intensão de usar a pessoa”, completa.

O amor nos tempos do Uber

Encontros: depois de anos se cruzando, Gabriel Godoy e Bruna Guerin engataram um romance durante as gravações da série
Reprodução/Instagram
Encontros: depois de anos se cruzando, Gabriel Godoy e Bruna Guerin engataram um romance durante as gravações da série

Em um dos episódios, é contada a história de Nicole (Julianne Trevisol) e Dani (Gabriel Godoy). Ele, ator que ainda não emplacou, divide a vida nos palcos com a vida como motorista de Uber e ela vive planejando casamentos para os outros. “Ela sempre teve o sonho de realizar casamentos desde pequena. Ela via aquela história de princesa, mas não ela sendo a princesa”, explica Julianne. Para ela, Nicole é mais realista e focada no trabalho, dando pouca oportunidade para a vida amorosa. Mas isso muda quando ela conhece Dani em um desses encontros inesperados que a série propõe.

“Existe sempre uma resistência para se abrir para o novo”, explica a atriz. Gabriel Godoy vê uma personalidade similar em seu personagem, cheio de discursos como “eu nunca faria isso” ou “eu jamais seria assim”. “Ele é um cara que não acredita no casamento”, explica Gabriel.

Ao fazer o Dani, o ator conta que pode perceber no personagem os discursos cristalizados e imutáveis. “Hoje em dia está todo mundo assim, com opiniões muito fortes e isso amorosamente é bem interessante”, comenta.

Ficção e realidade

Se os encontros e desencontros são tema da série, eles também aconteceram nos bastidores. O próprio criador de “(Des)encontros”, Rodrigo Bernardo, começou o relacionamento com a namorada, a atriz Jacqueline Sato, durante as gravações de seu primeiro longa metragem, “Talvez uma História de Amor”. Sato é Marina, apaixonada pelo ex-namorado e incapaz de ver a possibilidade de um novo amor em Leandro (Victor Mendes).

Leia também: Jacqueline Sato protagoniza série em ano repleto de "primeiras vezes"

Já na série, foi a vez de outro encontro: o de Gabriel Godoy e Bruna Guerin. Godoy conta que conhece Bruna há uns 10 anos e eles sempre se cruzaram, mas foi só na série que o relacionamento surgiu. “Foram só de desencontros e de repente na série a gente se encontrou”, comenta.

Bruna, que aparece brevemente no segundo episódio como amiga de Amanda (Konrad), é Gabi. Ela conhece Lucas (Gutto Szuster), que é incapaz de manter um relacionamento e termina com todas as suas pretendentes.

Conexão

Em busca dos amores possíveis,
Divulgação
Em busca dos amores possíveis, "(Des)encontros" volta ao Canal Sony com o episódio de Tom (João Gabriel Vasconcellos) e Elisa (Chris Ubach)

Apesar de usar bem os recursos narrativos que a que se propõe, o grande trunfo de Rodrigo é a relação entre os personagens. Julianne conta que, durante a gravação, a conexão entre os dois era o ponto mais importante.

“Nas filmagens, podia ser o set que fosse, ele parava tudo porque tinha que ter essa conexão dos atores. Ele falava ‘eu posso ter tudo, mas se eu não tiver vocês conectados, se olhando, verdadeiros, eu não tenho uma história para contar’”, relata a atriz.

O método de preparação, inclusive, era focado justamente nessa conexão. Gabriel Godoy conta que eles chegavam a passar 10, 20 minutos só se olhando, respirando no mesmo ritmo, justamente para criar essa relação orgânica. O resultado transparece na tela e é fácil se conectar com os amores.

Leia também: Sem contrato com a Globo, atores esquentam mercado de séries nacionais

A ideia do amor universal, que permeia “(Des)encontros”, aparece de diversas maneiras. Um dos episódios é focado em um casal gay, outro em duas pessoas que estão se separando. São oito histórias que podem ser vistas soltas, mas se conectam de várias maneiras no conjunto, inclusive por meio dos coadjuvantes.

Leve, divertida, emocionante e romântica, a série é capaz de despertar até no mais cético o sentimento que o amor, pode sim, estar na próxima esquina. É só olhar com atenção.

    Leia tudo sobre: amor