Tamanho do texto

A bilheteria chinesa rendeu mais que a da América do Norte no 1º trimestre de 2018 e o filme mais visto na China foi "Operação Mar Vermelho"

O primeiro trimestre de 2018 começou com mudanças significativas para a sétima arte. Segundo a imprensa internacional, a China superou a Hollywood dos Estados Unidos e se tornou o maior mercado cinematográfico do mundo, por conta principalmente dos filmes locais.

Divulgação
"Operação Mar Vermelho" foi o filme mais visto na China durante o trimestre

Leia também: Filmes premiados em Cannes já garantem distribuição no Brasil

De acordo com o China Movie Data Information Networks, as vendas no país chegaram a 20.21 bilhões de yuans (cerca US$ 3.17 bilhões) entre janeiro em março, enquanto nos Estados Unidos e Canadá o número chegou a US$2.85 bilhões, como demonstra os dados computados pelos EUA.

Leia também: Cinema e amadurecimento se confundem no afetuoso “Paris 8”

Os números ainda apontam que 75% dos filmes que moveram as bilheterias chinesas eram nacionais, mostrando que o mercado chinês realmente está em alta. Even Charles Rivkin, o presidente do Motion Picture Association of America (MPAA) chegou a revelar ao Film Journal que o “mercado chinês será o maior mercado de filmes em breve”.

O blockbuster “Operação Mar Vermelho”, que trata de uma missão anti-pirataria do exército chinês no Mar Vermelho, chegou a ocupar a primeira posição, em detrimento de grandes filmes de Hollywood como “Pantera Negra” ou “Círculo de Fogo: A Revolta”, ainda que estes tivessem bons resultados no país.

Leia também: Rodrigo Santoro será homenageado deste ano no Cine PE

Tensão entre China e EUA

Pantera Negra também rendeu bons números aos EUA na China
Divulgação
Pantera Negra também rendeu bons números aos EUA na China

Os resultados que a temporada trouxe à tona para os cinemas chineses preocupam Hollywood. Um dos maiores mercados mundiais, Pequim limita os números de filmes estrangeiros exibidos no cinema.

Ainda que o cenário pode chamar atenção do mercado estadunidense, Hollywood poderá não se abalar com os números nos próximos meses. Segundo Xian Li, um executivo de estúdio que mora em Hollywood, as coproduções entre China e Estados Unidos podem ser frequentes para pequenos trabalhos.

“É uma forma para as produções indie ganhar acesso ao grande mercado Chinês”, afirmou ao Film Journal . Entretanto, o gigante de Los Angeles parece não estar interessado no jogo. “Eles não podem se adaptar com rapidez suficiente a um mercado em rápida mutação. Isso pode ser uma tremenda oportunidade para empresas de produção menores tirarem proveito”, completou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.