Tamanho do texto

Filme mais sombrio do estúdio prepara o terreno para mudanças profundas no Universo Cinematográfico Marvel. Nada realmente será como antes

E se Thanos fosse o herói da história? Todo o vilão é o herói de sua própria história e “Vingadores: Guerra Infinita” é a história de Thanos tentando fazer aquilo que acha correto: destruir metade do universo e ele encontra justificativas que podem ser arrazoadas entre extremistas.

Leia também: Confira todos os personagens que aparecem em “Vingadores: Guerra Infinita”

Thanos, o grande protagonista de Vingadores: Guerra Infinita
Divulgação
Thanos, o grande protagonista de Vingadores: Guerra Infinita

Dirigido por Anthony e Joe Russo, os mesmos de “Capitão América: Guerra Civil”, “Vingadores: Guerra Infinita” promove a restruturação do Universo Cinematográfico Marvel. Nesse contexto, uma força inclassificável como Thanos, interpretado com gravidade e inesperada humanidade por Josh Brolin, vem a calhar.

O filme que celebra tanto os dez anos do Universo Marvel, como prepara o terreno para o fim da Fase 3 do estúdio, tem ação ininterrupta e senso de urgência. O longa começa de onde  “Thor: Ragnarok” terminou. Após a destruição de Asgard, o grande titã embosca Thor (Chris Hemsworth) e Loki (Tom Hiddleston) para pegar o teserract. Essa é apenas a segunda joia do infinito e o pai de Gamora (Zoë Saldaña) e Nebula (Karen Gillian) precisa das seis para poder estalar os dedos e praticar o que chama de “ato de misericórdia” que é destruir metade do universo.

Escrito por Christopher Markus e Stephen McFeely, o longa alinha tramas, personagens, pistas, circunstâncias e conflitos que foram sendo salpicadas ao longo desses dez anos e claramente acena tanto à nostalgia do espectador, como sua capacidade de manter coesa a linha narrativa desse universo cinematográfico. Ainda que diálogos explicativos surjam aqui e ali para dirimir qualquer chance de alienar o espectador ocasional.

Leia também: Marvel em 5 cenas: os momentos que levaram a “Vingadores: Guerra Infinita”

O que funciona em “Vingadores: Guerra Infinita”

As parcerias improváveis promovidas pelo filme tornam a experiência muito mais divertida e emocionante para os fãs em Vingadores: Guerra Infinita
Divulgação
As parcerias improváveis promovidas pelo filme tornam a experiência muito mais divertida e emocionante para os fãs em Vingadores: Guerra Infinita

Com um elenco tão grande, estrelado e clamoroso como como dar errado? De muitas maneiras. A começar pela impossibilidade de dar a mesma dimensão a todos eles, mesmo aqueles que já ganharam seus próprios filmes. A realização nem sequer tenta. Os heróis que já ganharam trilogias solo – Capitão América (Chris Evans), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) e Thor (Chris Hemsworth) – são a principal válvula de três núcleos narrativos que rapidamente se formam no longa.

A decisão se mostra acertada do ponto de vista estratégico e narrativo, mas também da perspectiva da ação, que surge ininterrupta e sempre com fôlego cênico.

O humor está mais bem azeitado do que em filmes como “Dr. Estranho” (2016), “Guardiões da Galáxia 2” (2017) e “Thor: Ragnarok” (2017). Ele ainda é um elemento importante no desenvolvimento do longa, mas cede espaço para o indefectível clima de tragédia no ar.

Tony Stark ainda faz piadinhas – todas ótimas – mas sua apreensão e medo são palpáveis como jamais foram.

Wakanda vira palco de uma batalha intergaláctica, mas com ares de filmes como
Divulgação
Wakanda vira palco de uma batalha intergaláctica, mas com ares de filmes como "Coração Valente" e "O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei"

Leia também: Primeiras impressões de "Vingadores: Guerra Infinita"

A ideia de proporcionar parcerias improváveis dentro do escopo do Universo Marvel também é um acerto e tanto. Senhor das Estrelas (Chris Pratt) unindo forças com Homem de Ferro, Dr. Estranho (Benedict Cumberbatch) e Homem-Aranha (Tom Holland), Thor e Rocket juntos na tentativa de forjar uma arma capaz de deter Thanos, o epicentro de uma batalha intergaláctica em Wakanda e Bruce Banner e Hulk discutindo a relação em pleno apocalipse são demonstrações do engenho do roteiro em criar poros de oxigenação dentro desse cataclisma emocional e estrutural que é “Guerra Infinita”.

O que não funciona em “Vingadores: Guerra Infinita”

Visão e Feiticeira Escarlate têm uma boa trama em um filme que não se esperava que eles fossem protagonistas, mas na verdade há uma falha de desenvolvimento aí
Divulgação
Visão e Feiticeira Escarlate têm uma boa trama em um filme que não se esperava que eles fossem protagonistas, mas na verdade há uma falha de desenvolvimento aí

Apesar de Thanos ser a espinha dorsal do filme, a tentativa de desenha-lo como um pai amoroso e incompreendido soa artificial e inadequada demais. A tentativa é compreensível em virtude de certos efeitos dramáticos pretendidos pela produção, mas a coisa não funciona conforme. De todo modo, Josh Brolin, na unha, consegue contornar certas incongruências que pairam sobre o personagem.

Outro aspecto que não bate bem é o fato de mais de uma vez Visão (Paul Bettany), que detém uma das joias do infinito, sugerir que seria melhor destruí-la – e talvez ele no processo – para evitar que Thanos pudesse subjugar todo o universo.  Cria-se uma situação de “não negociamos vidas” confrontada pelo próprio Visão remetendo a esforços do Capitão América no passado e nada ali parece fazer muito sentido. Afinal, estrategicamente é um movimento necessário para evitar a erradicação de metade do planeta. O que é o sofrimento de Wanda (Elizabeth Olsen) perto disso?

São pequenas falhas na construção de um roteiro que, a despeito dessas e outras pequenas imperfeições, é louvável pela coesão e efetividade no alinhamento do passado, na organização cênica e no aceno que faz ao futuro.

Escala épica

Cena de
Divulgação
Cena de "Vingadores: Guerra Infinita": escala épica

E “Vingadores: Guerra Infinita” se prova diferente de tudo o que o espectador poderia antecipar. Pensado como parte de um todo que só se completa em 2019, o filme subverte expectativas e flerta com um pessimismo incomum dentro do Universo Marvel. É tão inesperado que se afigura desalentador.

Pensando nos três “Vingadores”, “Guerra Infinita” é o melhor e mais bem resolvido , mas assim como já acontecera com “Capitão América: Guerra Civil” não seria uma apoteose possível sem os demais filmes.

Leia também: “Melhor Esperar”, diz Kevin Feige sobre anúncio de novos filmes da Marvel

Com “Vingadores: Guerra Infinita”, a Marvel se isola ainda mais no topo de um jogo que parece jogar sozinha. Ao propor uma experiência cinematográfica soberba e singular para toda uma geração, o estúdio flerta com a canonização em Hollywood.