Tamanho do texto

O Procon de São Paulo autuou o Festival Lollapalooza 2018 e multa chega R$ 970 mil. O festival aconteceu em março, no Autódromo de Interlagos

O Festival Lollapalloza 2018 foi atuado por práticas abusivas e falta de informações essenciais durante a realização do festival em São Paulo e  responderá a processo administrativo.  A fiscalização indica que a T4F Entretenimentos (Tickets For Fun), responsável pela administração, tirou o direito do consumidor e errou ao cobrar uma taxa em cima do saldo remanescente da pulseira denominada “Lolla Cashless by next”. O valor estimado da autuação é de R$ 970.986,67.

Leia também: Lollapalooza tem problemas com transporte e motorista tenta agredir passageiros

Procon autua Lollapalooza por práticas abusivas e falta de informações essenciais na edição de 2018
T4f
Procon autua Lollapalooza por práticas abusivas e falta de informações essenciais na edição de 2018


A edição do Lollapalooza 2018 aconteceu no mês de março, entre os dias 23 e 25, no Autódromo de São Paulo e trouxe artistas como Lana Del Rey, Imagine Dragons, The Killers, Red Hot Chilli Peppers, Alok e entre outros. 

Leia também: Investimento na novíssima cena musical brasileira compensa no Lollapalooza 2018

Multa ao Lollapalloza

Público curte noite de show no Festival Lollapalooza 2018
Flickr/Lollapalooza
Público curte noite de show no Festival Lollapalooza 2018


A autuação do Procon remete à prática abusiva de proibir a entrada de pessoas com copos de água lacrados, quando o próprio festival vendia o produto nas mesmas condições. Dessa forma, o Lollapalooza tirava o direito de escolha do consumidor. Além disso, incorreu no mesmo erro ao adotar uma pulseira denominada “Lolla Cashless by next” de créditos pré-pago, para consumo dentro do evento, cobrando uma taxa de 5% nos resgates de saldo remanescente. Para o Procon, tratava-se de uma vantagem manifestamente excessiva, por repassar ao consumidor um custo inerente à atividade.

Leia também: Lollapalooza: qual a importância dos artistas "esquecidos" do festival?

Outra falha detectada foi a ausência de informações nos postos de recarga das pulseiras sobre o reembolso de saldo excedente após finalização do festival, obrigando o consumidor a consultar outros meios.

Outros problemas

A própria organização do Lollapalooza disponibilizou serviços de transporte que, esse ano, custavam R$ 100,00. Diversas pessoas tiveram problemas com o transporte, que foram além do trânsito da capital paulista. 

Em nota ao  iG  , a organização do Lollapalooza informou que apurará os problemas de locomoção: "a T4F preza pela qualidade dos serviços prestados e não constatou falha nos serviços da forma relatada. De toda forma, apurará os fatos junto às empresas contratadas para o serviço em questão".