Tamanho do texto

Maria Contreras-Sweet, ex-funcionária do governo Obama, fecha acordo para adquirir os ativos da Weinstein Company e planeja fundo de indenização para vítimas de abusos sexuais

A carreira Harvey Weinstein, um dos maiores produtores de Hollywood, está cada vez mais ladeira abaixo. Na última quinta-feira (1º), Maria Contreras-Sweet, uma ex-funcionária do governo Barack Obama, fechou um acordo para adquirir os ativos da Weinstein Company. Maria disse que usará um conselho de maioria feminina para reformular o estúdio de Hollywood, manchado por diversas denúncias de assédio sexual. 

Leia também: Depois de acusações de assédio, Harvey Weinstein é expulso da Academia do Oscar

Caso de Harvey Weinstein em Hollywood foi precursor de uma série de denúncias que atrizes fizeram durante a semana
Reprodução
Caso de Harvey Weinstein em Hollywood foi precursor de uma série de denúncias que atrizes fizeram durante a semana








Com a compra da produtora de Harvey Weinstein , a The Weinstein Company,  ex-diretora da Agência de Pequenas Empresas planeja lançar uma nova empresa. Em comunicado, Maria Contreras-Sweet disse que seus objetivos são poupar cerca de 150 empregos, proteger os pequenos negócios aos quais a empresa deve dinheiro e criar um fundo de indenização para as vítimas, que suplementará a cobertura de seguro atual das pessoas afetadas: “O próximo passo representa o melhor caminho possível para apoiar as vítimas e proteger os funcionários”, disse Maria. O conselho de diretores da produtora de Weinstein confirmou que chegou a um acordo com Maria e com Ron Burkle, bilionário do setor de supermercados.

Leia também: Clima belicoso em Hollywood pode tirar James Franco e Gary Oldman do Oscar

Ex-funcionária do governo Barack Obama, Maria Contretas-Sweet, compra os direitos da produtora do assediar Harvey Weinstein
Reproduçã/Instagram
Ex-funcionária do governo Barack Obama, Maria Contretas-Sweet, compra os direitos da produtora do assediar Harvey Weinstein











Weinstein Company

A Weinstein Company quase foi à falência depois que mais de 60 mulheres acusaram seu cofundador Harvey Weinstein, então um dos homens mais influentes da indústria cinematográfica e Hollywood, de má conduta sexual, assédio e estupro. Weinstein negou todas as acusações e disse ter feito sexo não consensual com qualquer pessoa.

Leia também: Uma Thurman fala pela primeira vez sobre abusos de Harvey Weinstein

Inaugurado em outubro de 2005, a Weinstein Company produziu e distribuiu filmes de sucesso e ganhadores do Oscar como "O Discurso do Rei" e "O Lado Bom da Vida". A empresa também produziu programas de televisão, incluindo o reality show de moda "Project Runway".

Acusações a Harvey Weinstein 

Após as diversas acusações de assédio sexual e estupro, o produtor foi expulso da academia do Oscar. Harvey Weinstein foi acusado de abuso sexual por atrizes como  Ashley Judd, Jessica Barth, Katherine Kendall, Rose McGowan, Florence Darel, Judith Godreche, Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Cara Delevingne e Lea Seydoux. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.