Tamanho do texto

O prêmio veio depois da escola fazer um tributo às mulheres negras em seu desfile, que aconteceu na madrugada desta terça-feira (13); veja mais

A Acadêmicos do Salgueiro ganhou o Estandarte de Ouro de melhor escola de samba do Grupo Especial depois de fazer um tributo sobre as mulheres negras. A agremiação á tinha cantado as Candaces, para celebrar as figuras femininas nas culturas da África e do Brasil e voltou a ao tema.

Leia também: Carnaval do Rio: Beija-Flor, Salgueiro e União da Ilha são destaques

Salgueiro ganha Estandarde de Ouro de melhor escola de samba do Grupo Especial
Flickr/RioTur
Salgueiro ganha Estandarde de Ouro de melhor escola de samba do Grupo Especial


No desfile da Salgueiro , passaram pela Avenida heroínas do passado, como deusas egípcias, as soberanas de Angola e as líderes quilombolas. Em um dos carros sobre as rainhas do Norte africano, uma grande escutura representou a deusa da fertilidade. Ísis, amamentando seu filho, Hórus. Também foram homenageadas guerreiras da modernidade, como chefe de família.

Leia também:  Beija-Flor politizada e Miguel Falabella agitam noite de desfiles na Sapucaí

Mais prêmios

Martinho da Vila, que completou 80 agora, foi considerado personalidade do ano pelo júri do Estandarte. Já Leandro Vieira, da Mangueira, receberá o prêmio de melhor enredo com  "Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco", uma crítica ao corte de recursos repassados às escolas de samba pela prefeitura do Rio de Janeiro.

Martinho da Vila foi considerado personalidade do ano
Divulgação Reality Social
Martinho da Vila foi considerado personalidade do ano


O melhor samba-enredo foi o da Mocidade Independente de Padre Miguel, com "Namastê... A estrela que habita em mim saúda a que existe em você", dos compositores Altahy Veloso, Zé Glória, Paulo Cesar Feital, J Giovanni, Denilson do Rosário, Alex Saraiça e Carlinhos da Chácara e Leo Peres. A escola também  levou o prêmio na categoria bateria, comandada pelo mestre Dudu.

O prêmio de melhor comissão de frente foi para o Paraíso do Tuiuti. E a Grande Rio conquistou os prêmios de melhor mestre-sala, com Daniel Werneck, e porta-bandeira, Verônica Lima. Para os jurados, embora o julgamento do quesito seja individual, a harmonia do casal na Avenida fez a diferença.

A Vila Isabel, com André Samma, ganhou o prêmio de melhor passista masculino. No feminino, o prêmio foi para Dani Moreníssima, da Grande Rio. 

A Mangueira também ficou com o Estandarte de melhor ala das baianas. A escola ainda faturou na categoria ala, a Garra Mangueirense, com o figurino "Bloco de sujo ou vem como pode no meio da multidão". 

Raphaela, porta-bandeira da Império Serrano, foi escolhida evelação do ano pelos jurados e na categoria inovação, os jurados gostaram das  imagens de um telão com os componentes da comissão de frente da Grande Rio foi o uso criativo, oportuno e adequado da tecnologia nos desfiles.

Lista completa:

Enredo: Leandro Vieira, Mangueira: "Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco"

Personalidade do Ano: Martinho da Vila

Comissão de frente: Paraíso do Tuiuti

Mestre-sala: Daniel Werneck, Grande Rio

Porta-bandeira: Verônica Lima, Grande Rio

Puxador: Tinga, Unidos da Tijuca

Bateria: Mocidade Independente

Samba-enredo: "Namastê... A estrela que habita em mim saúda a que existe em você", Mocidade Independente

Passista masculino: André Samma, Vila Isabel

Passista feminino: Dani Moreníssima, Grande Rio

Baianas: Mangueira

Ala: Garra Mangueirense, com o figurino "Bloco de sujo ou vem como pode no meio da multidão"

Revelação: Raphaela, porta-bandeira da Império Serrano

Inovação: Grande Rio (interação entre telão e componentes da comissão de frente)

Leia também: Salgueiro vira alvo de polêmica ao pintar integrantes de preto no carnaval 2018



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.