Tamanho do texto

A primeira noite de desfiles no Sambódromo do Anhembi começou com a Independente e terminou com Tom Maior falando da Imperatriz Leopoldina

A primeira noite de desfiles do Carnaval de São Paulo começou na noite de sexta-feira (9) e acabou já na manhã do sábado (10). Os desfiles tiveram início com a Independente Tricolor falando sobre filmes de terror e terminaram com a Tom Maior  homenageando a Imperatriz Leopoldina já com o dia claro. Além disso, Unidos do PerucheAcadêmicos do Tucuruvi , Mancha VerdeAcadêmicos do Tatuapé e Rosas de Ouro também passaram pelo Anhembi.

Leia também: Rap e Samba! Edi Rock participa de música da "Império de Casa Verde" no Carnaval

Os destaques da primeira noite do Carnaval de São Paulo ficaram por conta da Rosas de Ouro, que falou sobre a vida dos caminhoneiros, e a música sertaneja, e Mancha Verde, celebrou os 40 anos do grupo Fundo de Quintal.

Independente Tricolor

Desfile da Independente Tricolor na primeira noite de desfiles do Carnaval de São Paulo
Reprodução/Liga das Escolas de Samba de São Paulo
Desfile da Independente Tricolor na primeira noite de desfiles do Carnaval de São Paulo


A Independente estreou no Grupo Especial falando sobre terror. Com o enredo "Em cartaz: Luz, Câmera e…Terror. Uma produção Independente”, a escola abriu a folia homenageando a produções do gênero. A agremiação trouxe vampiros, zumbis e imagens grotescas para a avenida. Uma das maiores referências de horror no Brasil, o Hopi Hari, não ficou de fora. O parque foi lembrado em um carro alegórico que fazia referência à "Hora do Horror".

Zé do Caixão, personagem de José Mojica, foi a estrela da escola. Além disso, figuras fictícias, como Nosferatu, do filme de "Friedrich Wilhelm Murnau", e Jason, do filme "Sexta-feira 13", criado por Victor Miller, também foram celebradas.

A escola chegou a perder um ponto e dois décimos depois que seu abre-alas, que fazia referência a um estúdio de filmes de terror, enfrentou problemas e precisou ser guinchado por uma empilhadeira durante todo o percurso.

Leia também: "Hora do Horror" na avenida: Hopi Hari é homenageado no desfile da Independente

Unidos do Peruche

A Unidos do Peruche homenageou Martinho da Vila
Reprodução/Liga das Escolas de Samba de São Paulo
A Unidos do Peruche homenageou Martinho da Vila


Com Martinho da Vila, homenageado pela Unidos do Peruche nesta noite, no topo do último carro, a escola fez junção da África com o Brasil na vida e na música de Martinho. Além do homenageado, Leci Brandão saiu em um dos carros da escola.

Para mostrar as facetas do cantor, a agremiação começou destacando as relações do samba com a África, e as influências, como de Noel Rosa, que Martinho recebeu ao chegar em Vila Isabel, no Rio de Janeiro,, procedente de Duas Barras (RJ), onde nasceu há 80 anos.

A escola ainda fez um destaque especial para a atuação do cantor nos países de língua portuguesa na África, com os quais ele desenvolveu diálogos musicais e embaixador da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLT).

Acadêmicos do Tucuruvi

Acadêmicos do Tucuruvi fez desfile simbólico
Reprodução/Liga das Escolas de Samba de São Paulo
Acadêmicos do Tucuruvi fez desfile simbólico


A Tucuruvi levou para o Anhembi a história dos museus e conseguiu fazer um belo desfile mesmo depois de perder 90% de suas fantasias em um incêndio nas vésperas do carnaval.  Vale lembrar que, por conta do ocorrido, a escola não será julgada.

Apesar de quemar cerca de 2 mil peças, a Tucuruvi não deixou a desejar e representou museus de história, de artes, de ciência, assim como os brasileiros da Língua Portuguesa, do Índio, do Amanhã, Folclore e do Futebo. A escola foi ovacionada pelo público.

Mancha Verde

Desfile da Mancha Verde
Reprodução/Liga das Escolas de Samba de São Paulo
Desfile da Mancha Verde


Quarta escola a pisar no Sambódromo, a Mancha Verde foi um dos grandes destaques da noite ao levar a história do grupo Fundo de Quintal para o Anhembi. Além do grupo, Viviane Aráujo, rainha de bateria, também brilhou na avenida.

A escola contou com a forte participação das arquibancadas, que a todo momento participou do desfile, cantando o samba-enredo, com bandeiras, faixas, bexigas e sinalizadores.

Leia também: Escapou! Confira as famosas que mostraram demais no Carnaval

Acadêmicos do Tatuapé

A Acadêmicos do Tatuapé falou sobre o Maranhão
Reprodução/Liga das Escolas de Samba de São Paulo
A Acadêmicos do Tatuapé falou sobre o Maranhão

Atual campeã do Carnaval de São Paulo, a Tatuapé entrou na avenida para falar do estado do Maranhão. A escola apostou em um desfile tradicional que aconteceu sem imprevistos.

Um dos pontos fortes da escola foi a alternância, pela bateria da agremiação, da batida do samba para a batida do reggae, ritmo muito presente no local homenageado nas últimas décadas. As fantasias e as alegorias dos carros chamaram atenção do público.

Rosas de Ouro

A Rosas de Ouro foi um dos grandes destaques da noite
Reprodução/Liga das Escolas de Samba de São Paulo
A Rosas de Ouro foi um dos grandes destaques da noite


Sexta escola a pisar no Anhembi, a Rosas de Ouro também foi um dis grandes destaques da noite. A escola  teve participação de Maiara e Maraisa para falar sobre vida dos caminhoneiros no Brasil e provou que samba e sertanejo podem se misturar.

A escola mostrou as singularidades das diversas partes do país por onde passam os caminhoneiros e usou sangonas em seu corpo instrumental.

Tom Maior

A Tom Maior fechou a primeira noite de desfiles do carnaval de São Paulo
Reprodução/Liga das Escolas de Samba de São Paulo
A Tom Maior fechou a primeira noite de desfiles do carnaval de São Paulo


A Tom Maior fechou a primeira noite de desfiles do Carnaval de São Paulo já com o dia claro e homenageou Dona Leopoldina com alas que foram de história brasileira a tributo para Luiza Brunet.  O desfile destacou momentos históricos do Brasil, como a declaração da independência, representada no quarto carro com Leopoldina no lugar de Dom Pedro.

A agremiação contou na primeira noite de desfiles do Carnaval de São Paulo história da personagem histórica e da escola de samba carioca. Leopoldina morreu aos 29 anos e seu nome foi dado a uma ferrovia, que tem um trecho que corta os subúrbios do Rio de Janeiro. Em um ponto às suas margens, no bairro de Ramos, nasceu a escola de samba Imperatriz Leopoldinense.