Tamanho do texto

Filmes sobre o despertar sexual, conflitos em meio a guerras, biografias e outros temas mais apreciados pela academia desde 2010

Política , despertar sexual, dramas sobre amadurecimento e biografias . Alguns temas são tão recorrentes no cinema que acabam tendo lugar garantido no Oscar. Na última década , apesar da variedade de temas que se destacaram na premiação, alguns tiveram mais representação ao longo dos anos.

Leia também: A sensação do Oscar 2018 se chama Timothée Chalamet e tem 22 anos

Biografias são sempre fortes concorrentes no Oscar, tanto como Melhor Filme como nas categorias de atuação
Divulgação
Biografias são sempre fortes concorrentes no Oscar, tanto como Melhor Filme como nas categorias de atuação

O primeiro Oscar da década, em 2011, premiou o “ Discurso do Rei ” como o Melhor Filme de 2010. O filme é um exemplo do que seria uma tendência na década: biografias. O filme conta a história do Rei George VI, que assumiu o trono depois da desistência do irmão e teve que lutar contra uma gagueira crônica. O filme mistura uma história de superação com o clima europeu durante a 2ª Guerra Mundial. A premissa se repetiria outras vezes, como em “O Jogo da Imitação”, “Cavalo de Guerra” e “Até o Último Homem”. Excluindo-se o fator de conflito, outras biografias também se destacaram. Em 2011, além da história do Rei da Inglaterra, também foi retratada a superação de Robbers Rosst, que ficou preso em uma pedra no Grand Cânion, em “127 Horas”, além da criação do Facebook por Mark Zuckerberg em “A Rede Social”.

Leia também: Oscar se esforça para atender demandas sociais e celebra filmes anti-Trump

Ao longo da última década, porém, muitos outros nomes que marcaram a história ganharam um retrato que acabou lembrado pela academia: Stephen Hawking em “A Teoria de Tudo”, Abraham Lincoln em “Lincoln”, Jackie Kennedy em “ Jackie ”, Martin Luther King em “ Selma ”, e esse ano Winston Churchill em “O Destino de Uma nação” e Kay Graham em “The Post”. Outras histórias inspiradoras também tiveram sua chance, como em “Joy” e “O Clube de Compra de Dallas”.

Hollywood por Hollywood

Embora não tenha sido o destaque da década, dois filmes que tratam sobre Hollywood se destacaram: “O Artista” foi muito celebrado em 2012 e acabou eleito o Melhor Filme no ano, enquanto “ La La Land ” arrebatou a academia em 2017 e quase, quase mesmo, ficou com a principal estatueta, mas perdeu de última hora para “Moonlight”. Os dois filmes, além de serem musicais, tem em comum a exaltação de Hollywood e a batalha para ressaltar nesse meio que pode ser cruel com quem vive o sonho de se tornar um artista.

EUA posto à prova

Guerra, seja ela recente ou antiga, acabada ou em andamento, costuma gerar boas histórias. “ Argo ”, que relata o resgate de um grupo de reféns no Irã pela CIA ganhou o prêmio em 2013, anunciado pela então primeira-dama americana Michelle Obama, que entrou em um link ao vivo. No mesmo ano, outro indicado era “ A Hora Mais Escura ”, sobre a descoberta e captura de Osama Bin Laden. Já “Sniper Americano” foca na história de um só militar, o atirador de elite mais letal dos EUA.

Leia também: Oscar chega aos 90 anos mais diverso e receptivo ao cinema de gênero

Mas, além de relatar as instituições militares e de defesa americana, alguns filmes optam por analisar o país como sociedade. “O Vencedor” é um belo retrato do interior americano, e como o esporte pode ser a única saída de um ambiente de pobreza, drogas e criminalidade. “Indomável Sonhadora” também retrata a pobreza e miséria na Louisiana, focando na história da pequena Hushpuppy. “ O Lobo de Wall Street ” também retrata um lado da cultura americana, porém bem mais glamuroso: a da bolsa de valores e os muito corretores que enriqueceram ilicitamente em Wall Street nos anos 1990. “ A Grande Aposta ” também analisa um momento importante da história contemporânea dos EUA: a crise financeira de 2006 e 2007, que resultou na falência de diversos bancos.

A situação do negro nos EUA

A situação do negro americano também é destaque nas premiações
Divulgação
A situação do negro americano também é destaque nas premiações

Em 2015 a cerimônia do Oscar que premiou “Birdman” sofreu duras críticas pela falta de representantes negros em todas as categorias. Com exceção de “Selma”, nenhum filme tinha negros entre o elenco principal ou na equipe. O alerta foi ouvido e as coisas melhoraram nos últimos anos, mas a disparidade entre brancos e negros no prêmio continua grande. Talvez por isso filmes com a temática negra acabam se sobressaindo. O principal deles foi “ 12 Anos de Escravidão ” em 2014, que saiu com o troféu. O filme de Steve McQueen contava a história de Solomon Northup, um escravo liberto que é vendido ilegalmente e passa a trabalhar em plantações. Antes disso, “Histórias Cruzadas” emocionou com as histórias de diversas empregadas negras nos EUA dos anos 1960. “ Django Livre ” seguiu a temática da escravidão em 2013 e o já citado “Selma”, dirigido por Ava DuVernay foca em MLK. Em 2017 o cenário foi mais positivo em termos de história: a luta negra por igualdade continuou a ser retratada, mas dessa vez em uma luz mais positiva, contando a história de três cientistas negras americanas que lutam por seu espaço na Nasa em “ Estrelas Além do Tempo ”.

Homossexualidade em pauta

Oscar
Divulgação
Oscar

Se antes os filmes que se destacavam na temática homossexual eram como “Filadélfia”, a última década mostrou mais amadurecimento em relação ao tema. “ Minhas Mães e Meu Pai ” focou no conflito familiar e, além da indicação a Melhor Filme, ficou também com ator e atriz coadjuvantes. Nos últimos anos, o tema foi tratado como tabu ou apenas como pano de fundo para diversos filmes. “Carol”, “Clube de Compras de Dallas” e “Toda Forma de Amor” são exemplos, embora o último não tenha sido indicado a Melhor Filme. Ainda assim, Christopher Plummer ganhou o Oscar de Melhor Ator coadjuvante pelo papel do homem que decidiu “sair do armário” na terceira idade, ao descobrir um câncer. Esse ano, “ Me Chame Pelo Seu Nome ” segue essa premissa, mostrando uma década onde filmes com histórias sobre pessoas gay são representadas “quebrando as barreiras” do estigma e focando no que elas realmente são: histórias de amor, de trabalho, de superação, etc.

Mais recentemente, “ Moonlight ” explorou a temática, de maneira brilhante, misturando o tema com outros citados acima, como a situação do negro na periferia e mais um tema bastante abordado nos filmes da última década: o despertar da infância para a adolescência. Dividido em três fases, o filme mostra a história de um jovem da periferia de Miami, que enfrenta seu despertar sexual ao mesmo tempo em que cresce em um ambiente hostil, em meio a drogas e violência. “Brooklyn” também faz um belo trabalho ao mostrar esse período de transição de uma menina que, depois de completar a escola na Irlanda, vai aos EUA para tentar uma vida melhor e fica dividida entre sua casa e o novo País. Um filme que levou esse conceito até as últimas consequências, no entanto foi “Boyhood”. Filmado ao longo de 12 anos por Richard Linklater. Sendo assim, acompanhamos a vida de Mason de criança até sua chegada na faculdade, passando por conflitos da juventude, a relação com o pai, os namorados da mãe, os amores e tudo o mais.  

Esse ano, a temática volta ao Oscar com “ Lady Bird ”, de Greta Gerwig. O filme protagonizado por Saoirse Ronan também mostra a transição da adolescência para o início da fase adulta, e os dilemas e dificuldades que vem com esse período efervescente. Mas, mesmo tratando de temas comuns, esses filmes os exploraram de maneiras distintas, sob olhares e perspectivas novas, o que faz com que essas temáticas, mesmo repetidas, não estejam gastas ou cansadas.

Leia também: Oscar tem melhor participação de brasileiros desde “Cidade de Deus”

    Leia tudo sobre: gay
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.