Tamanho do texto

Se, por um lado, os cosplayers por si só já dariam um show no palco, falta de organização e publicidade escancarada atrapalharam o Concurso de Cosplay

Os cosplays são uma das partes que mais fazem sucesso na CCXP , porém o destaque fica com os participantes da final do concurso realizado pelo evento, onde os doze melhores das etapas eliminatórias se apresentam e disputam o título de Cosplay Master. No final de quase duas horas de um show surreal por parte dos cosplayers, o vencedor máximo foi Rafael Silva interpretando o personagem Death Knight do jogo “World of Warcraft”. Mesmo com o alto nível dos participantes, evento foi desorganizado e sofreu com o excesso de publicidade.

Leia também: Mesmo sem grandes novidades, CCXP segue sendo referência na cultura pop

Concurso de Cosplay continua com problemas de organização; participantes fazem apresentações impressionantes
André Conti/Galpão de Imagens
Concurso de Cosplay continua com problemas de organização; participantes fazem apresentações impressionantes


Centenas de visitantes disputaram um lugar no Auditório Ultra para assistir o resultado da competição de cosplay - mesmo com o horário concorrendo diretamente com o painel da Netflix com a presença de Will Smith, a aglomeração de pessoas no segundo andar quase gerou confusão e enlouqueceu a organização que fez o possível para alocar a maior quantidade de pessoas dentro do espaço.

Leia também: Depois do boom de 2016, Comic-Con brasileira sofre das dores do crescimento

Os doze cosplayers finalistas se apresentaram com fantasias de todos os tipos possíveis: de games como “ World of Warcraft ” e “Soul Calibur” até com títulos de filmes e desenhos como “Os Vingadores - Guerra Infinita” e “Digimon”. O nível da confecção das fantasias era de tirar o fôlego e a imersão na história contada em cerca de um minuto disponibilizado para interpretação criava um ambiente lúdico, inclusive pela novidade da possibilidade de usar o telão no fundo como parte da apresentação.

Leia também: Mestre do jornalismo nos quadrinhos, Dan Goldman adianta projeto brasileiro

A cada novo participante convidado para o palco o público vibrava e torcia como se estivesse diante de um personagem de verdade que tivesse ganhado vida. Sem nenhum erro técnico nessa questão, o concurso de cosplay foi, no mínimo, um enorme sucesso e, tirando o fato de o espaço ser apertado para o porte da atração, tudo correu mais do que bem.

Publicidade excessiva

Rafael Silva conquista jurados do Concurso de Cosplay na CCXP 2017 e leva título de Cosplay Master na premiação final
Gustavo Scatena/Galpão de Imagens
Rafael Silva conquista jurados do Concurso de Cosplay na CCXP 2017 e leva título de Cosplay Master na premiação final

Sendo sempre reservado para o final da CCXP por ser de grande importância, já é o segundo ano em que o concurso atrai mais público do que o espaço suporta. Fica a dica para a feira melhorar o planejamento da atração que, afinal, é regada de publicidade e gera muita propaganda para o próprio evento em cima dos cosplays. A “participação” do assistente pessoal da IBM, patrocinadora da atração, não foi das melhores, pois atrapalhou o ritmo das apresentações e por pouco não virou piada dentro do auditório. Se o evento quer que continuar com o concurso de cosplay como um dos principais atrativos da feira precisa dar mais atenção à ele.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.