Tamanho do texto

Com projetos renomados sobre política, religião, cultura e violência sexual, Dan Goldman dá aula de como transformar a realidade em HQs e fala sobre novidades

Indicado ao prêmio Eisner e ganhador do prêmio por igualdade de gênero da ONU Mulheres, Dan Goldman se apresentou no última dia da CCXP 2017 falando sobre seu trabalho com quadrinhos e jornalismo. Definindo a si mesmo como “contador de histórias”, Goldman, apesar de ser americano, falou em português o tempo inteiro e chegou a receber elogios da plateia por sua fluência. Por fim, o jornalista prometeu projeto voltado para o Brasil que em breve deve ser divulgado.

Dan Goldman durante painel sobre jornalismo e quadrinhos na CCXP 2017
Divulgação/CCXP 2017
Dan Goldman durante painel sobre jornalismo e quadrinhos na CCXP 2017

Leia também: Poderosas! Mulheres debatem diversidade e empoderamento na CCXP

Não-ficção e HQs

No debate “ Jornalismo em Quadrinhos” , Dan Goldman, que é autor de projetos aclamados como “Shooting War”, “Priya’s Shakti” e o recém lançado “Imobiliária Sobrenatural”, falou sobre como inserir a realidade dentro da estética e linguagem das HQ’s. “O poder das história é bem forte e como as histórias em quadrinhos tem cara de diversão as pessoas abaixam a guarda”, explica o quadrinista.

Leia também: “Não querem boas histórias, querem vender”, critica autor de "30 Dias de Noite”

Tocando em temas espinhosos como política, estupro e islãmofobia, Goldman foca no impacto social que seu trabalho pode gerar nas pessoas. Desmistificando a guerra que a mídia prega contra as religiões islãmicas e abordando abuso sexual com um viés educativo que preza pela conscientização dos homens e união das mulheres para combater esse problema, Goldman declara “tenho fé no poder das histórias para revolucionar a cultura [...[ todas as civilizações são bem corruptas, mas os humanos não são o problema [...] nós ainda podemos mudar. Temos muito trabalho e estou fazendo a minha parte”.  

Leia também: Espaço para música na CCXP foi ponto fraco do evento

Em breve….

Mesmo sendo americano com trabalhos voltados para a realidade do país falando, por exemplo, sobre a eleição de Barack Obama, Goldman explora temáticas internacionais. Os quadrinhos de Priya’s Shakti falam sobre a onda de casos de violência sexual na Índia - e por lá ele é lido, inclusive, como material didático em escolas - mas, para ele, esses problemas são maiores do que a limitação geográfica.

“Eu penso o mundo como um sistema que todas as partes são conectadas. Quando eu falo de estupro na Índia, estou falando da violência com todas as mulheres do mundo [...] são sujeitos universais”, explica. Sem revelar detalhes, ele comenta que irá lançar em breve um projeto envolvendo quadrinhos e jornalismo pensado para o Brasil que, segundo ele, irá falar sobre sociedade e cultura.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.