Tamanho do texto

Quadrinista Ben Templesmith elogia CCXP e diz que o evento é o melhor que já viu no mundo e critica editoras como DC e Marvel em apresentação

Se por um lado a organização da CCXP teve problemas com as atrações que ocuparam o palco principal, a programação dos auditórios menores compensaram. Encerrando a rodada de masterclasses dessa ano, o quadrinista Ben Templesmith , renomado por trabalhar com HQs de terror, foi convidado para falar sobre seu processo criativo e fazer uma demonstração ao vivo para o público (com direito a sorteio do desenho no final).

Ben Templesmith dando masterclass na CCXP
Verônica Maluf/iG São Paulo
Ben Templesmith dando masterclass na CCXP

Leia também: Espaço para música na CCXP foi ponto fraco do evento

Mestre do terror

No menor dos espaços disponíveis no pavilhão, o Auditório Prime tem a vantagem de aproximar os convidados dos participantes que, por sinal, vibraram e interagiram de uma forma rara de se ver em outros paineis. Descontraído e receptivo com a plateia, Ben Templesmith comentou que, de todos os eventos que já participou, a CCXP até agora foi a maior e melhor que já viu e fez questão de pontuar o cuidado da organização para dar visibilidade ao Artist’s Alley e elogiou a recepção dos artistas pelos fãs brasileiros.

Leia também: Netflix aposta em série nova e segunda temporada de "3%" no primeiro painel

Ben Templesmith durante painel na CCXP
Verônica Maluf/iG São Paulo
Ben Templesmith durante painel na CCXP

Ben é conhecido por seus trabalhos em HQs como “30 Dias de Noite” e “Fell”, além de trabalhos para gigantes do ramo como a DC Comics - um portifólio e tanto que atrai fãs de terror de todo mundo. Com os lugares da sala lotados, o artista comentou e riu de suas próprias ilustrações do começo da carreira e disse que se até ele conseguiu, qualquer um consegue, principalmente com o alcance que a internet tem hoje em dia.

Leia também: Criadores de God of War mostram a evolução de Kratos ao longo dos anos na CCXP

Autor também de “Gotham By Midnight”, derivado sobre o universo do Batman, Ben, que costuma ser mais lido no meio underground dos quadrinhos, criticou a forma como o trabalho é feito dentro dessas editoras maiores. “Eles não querem só contar boas histórias, eles querem vender”. Ele também desaprovou como alguns tipos de capas de HQs são feitas e ainda brincou pedindo para as pessoas não comprarem as revistas com capas no estilo “pin-up” dos personagens. No final o quadrinista ainda fez a alegria dos visitantes com uma demonstração ao vivo e sorteio do desenho, encerrando da melhor forma as masterclasses da CCXP 2017.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.