Tamanho do texto

Coprodução entre Brasil e Portugal estreia nesta semana no Rio e em SP

"Yvone Kane", estreia deste fim de semana no circuito alternativo das cidades do Rio de Janeiro e são Paulo, é um projeto pessoal da portuguesa Margarida Cardoso , que dirige o filme como quem remexe no próprio passado. O filme estabelece um diálogo entre as reminiscências coloniais em Moçambique e os anseios da protagonista vivida pela portuguesa Beatriz Batarda. 

Leia também: Classudo, novo “Assassinato no Expresso do Oriente” acerta em todos os alvos

Cena do filme Yvone Kane
Divulgação
Cena do filme Yvone Kane

Depois da morte da sua filha, Rita (Beatriz Batarda) volta ao país africano onde viveu a sua infância para investigar um mistério do passado: a verdade sobre morte de Yvone Kane (Mina Andala), uma ex-guerrilheira e ativista política. Neste país, onde o progresso se constrói sobre as ruínas de um passado violento, Rita reencontra a sua mãe, Sara (Irene Ravache), um mulher dura e solitária que vive ali há muitos anos.

Leia também: Na era das opiniões, crítica e público se chocam na apreciação de filmes

É dessa busca pelo passado, muitas vezes alinhada a certo rigor jornalístico, que o longa e sua protagonista vão adquirindo sentido. As cicatrizes da história ocupam especial espaço no filme de Cardoso e, nesse sentido, a atuação de Irene Ravache é essencial. Expressiva e silenciosa, a atriz abarca a dor de quem viveu e viu muitas tragédias. É um trabalho muito sutil. 

Ao propor a compreensão do passado como remédio para o presente, "Yvone Kane" se valoriza como documemento histórico, mas falta ao filme certo comedimento. A metragem é excessiva, assim como a reverência. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas