Tamanho do texto

Por meio de um workshop fotográfico promovido pela Fundação Stickel, 12 alunos de comunidades periféricas realizaram um ensaio sobre arquitetura

São Paulo é reconhecida por ser uma cidade cosmopolita em que a diversidade se faz evidente a cada esquina. Mega estruturas, equipamentos urbanos e passarelas fazem parte do cenário da capital, tanto nas regiões centrais quanto nas periféricas. Essa complexidade artística foi tema de um ensaio fotográfico de 12 alunos de um workshop gratuito e aberto à comunidade promovido pela Fundação Stickel com apoio do CAU/SP. A curadoria, por sua vez, ficou por conta da fotógrafa Ana Mello, profissional também responsável por ministrar o curso precursor ao trabalho. 

A arquitetura da sede da Fecomercio foi um dos registros clicados pelos alunos
Josemara Tourinho
A arquitetura da sede da Fecomercio foi um dos registros clicados pelos alunos

Leia também: Arte e conceito se encontram nas fotos de Camila Serigatti

“A fotografia de arquitetura é considerada por muitos como uma área mais técnica da fotografia. Durante o curso tratamos das diferentes formas de representá-la e qual a importância desta fotografia na compreensão da vida das pessoas. Por isso a ideia de que os registros não acontecessem apenas no centro, mas em todas as regiões onde os alunos vivem e transitam", afirmou Ana Mello.

Leia também: Conheça dez expoentes da fotografia erótica

Edifícios como a Praça do Patriarca e o novo Sesc 24 de Maio fazem parte dos registros clicados pelos estudantes, além de arquitetura da periferia e manifestações culturais típicas dos centros urbanos, como o grafitti. Além disso, retratos dos próprios bairros destes alunos também foram contemplados no acervo de fotografias. Confira algumas das imagens produzidas:


Leia também: Nu artístico empodera, opina fotógrafa que dessexualiza nudez em série de fotos

Fundação Stickel

Instituida no ano de 1954 pelo casal Martha Diederichsen Stickel e Erico João Siriuba Stickel, a instituição é uma organização sem fins lucrativos. Depois de um período de inatividade, ela foi reestruturada em 2004 sendo transferida de Campos do Jordão para São Paulo com a missão de promover inclusão social por meio das artes visuais. Além do trabalho que mescla arquitetura e fotografia, a fundação também promove atividades nos campos da pintura, desenho, cinema e literatura, com cursos, oficinas ações, edição e distribuição gratuita de livros, sempre mesclando arte brasileira e contemporânea ao trabalho em comunidades com alto índices de vulnerabilidade social.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.