Tamanho do texto

Projeto ambicioso, CheckMate não é à prova de balas e Anitta vai precisar de toda a inteligência com que conduziu sua carreira até agora para fazer vingar seu desejo de conquistar a América, sem perder seu território no Brasil

Anitta no clipe Is That For Me
Divulgação
Anitta no clipe Is That For Me

Anitta é a maior popstar do Brasil. Isso é um fato irrevogável, praticamente inquestionável e já parece irreversível. Tanto é que ela hoje atua para se tornar a maior de todos os tempos no País, o que na lógica do mercado implica na internacionalização de sua música e sua marca.

Leia também: Como Anitta se tornou a maior popstar do Brasil?

O projeto CheckMate, cuja segunda música foi lançada nesta sexta-feira (13), é ambicioso e é bom que seja assim. Anitta tem target e planos bem delineados, mas há de se questionar a estratégia que está em curso. A ideia de lançar um single por mês é muito boa para a base de fãs da cantora, mas é perigosa quando se tenta avançar sobre novos terrenos e abrir-se a um novo público. A cauda de um single, afinal, precisa ser maior. 

Leia também: Dez motivos que provam que Anitta é um orgulho para o Brasil

A bossa em inglês Will I See You e a genérica Is That For Me , esta em parceria com o DJ farofeiro Alesso , parecem tentativas de introduzir Anitta no mercado americano, mas o fazem sem grande valor musical. Is That for Me é doloramente genérica. Poderia ser uma música de Katy Perry ou Rihanna que nem o fã mais hardcore lembraria. Anitta parece querer agregar a sua já estabelecida mitologia no Brasil por se tornar mais uma na paisagem de divas pop nos EUA.  É um recurso válido, pontue-se, mas que pode alienar, ainda que no curto prazo, sua base de fãs aqui no País.

Anitta: pose e atitude de popstar
Reprodução/Instagram
Anitta: pose e atitude de popstar

Enquanto muitas tentam ser a próxima Anitta, a original está tentando ser outra coisa. Depois de deixar o funk para trás e abraçar o pop com força, em um movimento tão compreensível quanto bem sucedido, Anitta corre riscos, como todo artista que quer crescer precisa fazer. A parceria com Iggy Azalea, por exemplo, foi uma experiência que deu errado. Essa pelo menos é a percepção majoritária. Tudo isso acontecendo no âmbito de 2017.

Sua carreira americana, digamos assim, está nas mãos do Shots Studios, que tem Justin Bieber entre os sócios. Focar em parcerias é algo válido para artistas latinos que tentam penetrar no mercado americano e Justin Bieber fez maravilhas por Luis Fonsi e seu Despacito , mas é preciso saber o que fazer depois que chegar lá. Nesse sentido, Anitta parece muito mais preparada do que o porto-riquenho, mas o material apresentado até aqui carece de sustentação. Não é nada que anime os fãs foram do lacre das redes sociais e nada que valha a distinção em um mercado híper-concorrido como o norte-americano, apesar de Anitta contar com o apoio de influenciadores como Perez Hilton.

Leia também: Um Rock in Rio para chamar de seu? Anitta quer criar festival musical para 2018

É natural um artista abraçar beats mais comerciais quando decide avançar sobre o desconhecido e Anitta sempre mostrou ter uma boa engenharia de carreira, mas vive um momento de definição. Fracassar em seu projeto de virar uma estrela internacional seria trazer esse fracasso de volta para seu dia a dia como popstar brasileira. Pode ser um revés tão irreversível quanto o status que ela goza agora e almeja mudar drasticamente.

Anitta: uma biografia não autorizada pode estar a caminho
Christian Gaul/Women's Health Brasil
Anitta: uma biografia não autorizada pode estar a caminho

Isso tudo ocorre em um momento em que Pabllo Vittar, que estourou com a ajuda de Anitta, se a fasta da diva , ainda que não seja nada definitivo, e que o jornalista Leo Dias, colunista de O Dia e que é visto em alguns círculos como desafeto da cantora, procura uma editora para lançar uma biografia não autorizada. Anitta é grande demais e como toda entidade que alcança esse tamanho está sujeita ao escrutínio e isso, ainda que ajunte alguma preocupação nesse momento que ela vive, também é bom para seu status .

maratona midiática para o lançamento do mais recente single não provocou o efeito esperado. CheckMate segue um projeto do patamar de uma Madonna ou Beyoncé. Para o bem ou para o mal, no entanto, é importante ter em mente que Anitta ainda não está lá.  

    Leia tudo sobre: Anitta