Tamanho do texto

Com as temáticas sobre o corpo da mulher ou a arte como forma de memória, o instituto trará diversos nomes das artes toda quinta-feira do mês; confira

A partir desta quinta-feira (05), a exposição “ Narrativas do Invisível – Mostra Rumos 2015-2016”, realizará mesas de debates sobre o esquecimento de povos, trajetos da arte, mulheres e seus diferentes tipos de corpos. As rodas de conversa acontecerão no Itaú Cultural, todas às quintas-feiras do mês de outubro a partir das 20h trazendo temas inspirados nos projetos aprovados na última edição do edital Rumos Itaú Cultural , um programa que busca a difusão de trabalhos de artistas, produtores e pesquisadores brasileiros.

Além dos debates, o Itaú Cultural também traz alguns espetáculos durante o mês como
Reprodução
Além dos debates, o Itaú Cultural também traz alguns espetáculos durante o mês como "Peso Bruto"


Leia também: Intolerância com "Queermuseu" deflagra debate sobre onda censora no Brasil

O primeiro debate que acontece já nesta semana traz a escritora Cristina Band, do projeto “Circodata – Dicionário do Circo Brasileiro”, o diretor de teatro Luiz Cherubini, o filho do escritor Rubens Francisco Lucchetti, Marco Lucchetti, além do diretor, roteirista e dramaturgo Paulo Biscaia Filho, que participa do projeto “A Macabra Biblioteca do Dr. Lucchetti”, que traz à tona o legado do autor. Com esse elenco, o Itaú Cultural questionará “Quais os Caminhos para Construir uma Memória em Arte?”, enquanto a peça de Biscaia Filho terá apresentações de 6 a 8 e de 13 a 15 de outubro no instituto.

Leia também: Tarsila do Amaral terá grande exposição no MoMa, nos Estados Unidos, em 2018

Já a segunda mesa, que acontece no dia 12 traz a tona a questão “Quem Conta os Relatos sobre o Esquecimento de Povos?”. Buscando resgatar o apagamento cultural de determinados povos tradicionais brasileiros, o diretor de cinema, roteirista e fotógrafo André dos Santos, a escritora e jornalista Ângela Pappiani, e o pesquisador, ativista e vocalista do grupo Bongar, Guitinho da Xambá, do projeto “Ogum Iê!”, falam sobre os seus respectivos trabalhos de resgate e legitimação dessas histórias além de retratar o cenário brasileiro diante do tema.

As mulheres tomam conta da terceira mesa, que acontece no dia 19. “Mulheres, ou Quais Corpos Merecem Ser Lembrados?” traz a diretora de cinema e roteirista Juliana Vicente, a escritora, tradutora e pesquisadora Maria Valéria Rezende, e a bailarina do grupo Cena 11, Jussara Belchior, idealizadora de Peso Bruto, projeto que tem como objetivo questionar o o estranhamento causado pelo corpo gordo na dança. Durante os dias 20 a 22 e de 27 e 29 “Peso Bruto” também estará em cartaz na casa.

Leia também: Campanha de Museu francês convida pais e filhos para ver “gente nua”

Para finalizar o mês no dia 26, a pergunta “Percebemos as Cartografias do Esquecimento?” toma conta da última mesa do evento com o intuito de evidenciar os vestígios de espaços que foram apagados do mapa e da história do Brasil. No bate-papo, David Leitão, do projeto “Dos Campos à Concentração”, o ator e diretor de teatro João Junior e a jornalista e documentarista Liliana Sulzbach debatem o tema.

Serviço

“Narrativas do Invisível – Mostra Rumos 2015-2016”
Mesas de debates
De 5 a 26 de outubro, às quintas-feiras
De 20h às 21h30
Piso -2
Classificação indicativa: livre
Dia 5: Quais os caminhos para construir uma memória em arte?
Dia 12: Quem conta os relatos sobre o esquecimento de povos?
Dia 19: Mulheres, ou quais corpos merecem ser lembrados
Dia 26: Percebemos as cartografias do esquecimento?
Entrada gratuita
Endereço: Itaú Cultural, Av. Paulista, 149

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.