Tamanho do texto

Uma pesquisa feita por estudiosos americanos indica que após o lançamento de ''13 Reasons Why'' a busca online por suicídio aumentou cerca de 19%

Desde seu lançamento a série "13 Reasons Why" gerou muita polêmica por sua representação explícita da jovem Hannah Baker cometendo suicídio . Um estudo publicado na última segunda-feira (31) pelo Journal of the American Medical Association (JAMA) apontou que, de fato, há uma correlação entre a série e as buscas por suicídio online, que aumentaram cerca de 19% no período avaliado. O resultado da pesquisa indica que, portanto, a série pode ter servido como gatilho sobre suicídio para o público.

Leia também: “13 Reasons Why”: até onde pode (e deve) ir uma produção audiovisual?

Segundo estudo há ligação no aumento de buscas online por suicídio e a série ''13 Reasons Why'' da Netflix
Reprodução
Segundo estudo há ligação no aumento de buscas online por suicídio e a série ''13 Reasons Why'' da Netflix


Buscas por suicídio

O estudo feito pelo JAMA foi realizado a partir de medições no Google Trends, ferramenta que aponta a quantidade de buscas de um termo em relação ao tempo, e comparou as faixas de janeiro a março, antes do lançamento de " 13 Reasons Why ", e 31 de março a 18 de abril, depois do lançamento. Segundo o Mark Dredze, coautor do estudo e professor de ciência da computação na Universidade Johns Hopkins, foram feitas entre 900 mil e 1,5 milhões de buscas além do esperado. 

Leia também: Com 2ª temporada confirmada, “13 Reasons Why” deve continuar gerando polêmica

Além disso, a pesquisa também análisou outros 20 termos relacionados, tais quais "como se suicidar", que teve aumento de 26% nas buscas, e "como se matar", que aumentou 9%. Em contrapartida, a série também elevou a procura por palavras-chaves como "prevenção por suicídio" e "linha de prevenção ao suicídio", que cresceram respectivamente 23% e 12% na quantidade de buscas. 

Leia também: “Dear White People”x“13 Reasons Why”: temas espinhos e os limites da repercussão

O professor John Ayers, da Universidade Estadual de San Diego, também participou do estudo e afirmar "embora seja animador que o lançamento da série coincida com o aumento da conscientização sobre suicídio [...] nossos resultados sustentam os piores medos dos críticos ao programa". Não há ainda comprovações que pessoas tenham tirado a própria vida por causa da série, porém o professor ressalta "a série pode ter inspirado muitos a agirem em relação aos seus pensamentos suicidas, procurando informações sobre como se suicidar". 

Um dos problemas apontados por aqueles que criticaram a Netflix foi de que "13 Reasons Why" não seguia recomendados da Organização Mundial da Saúde sobre como retratar o tema, como, por exemplo, não mostrando cenas de suicídio. o professor Ayers, envolvido no estudo, disse que estão pedindo para que a série seja retirada da plataforma e passe por uma edição para adequá-la aos parâmetros da instituição.